Próxima Edição - 18 de novembro

17.7 C
Gondomar
Quinta-feira, Outubro 21, 2021

Município cria estratégia de Retaguarda para Gondomar

Também pode ler

> Sala do Centro de Retaguarda

O Município de Gondomar lançou o desafio ao Hospital Fernando Pessoa para ser um Centro de Retaguarda concelhio, numa eventual rutura das estruturas distritais de apoio para doentes com COVID-19. Este projeto de medida preventiva conta com o apoio das Águas de Gondomar para garantir o apetrechamento e todos os equipamentos necessários para o espaço.

A ideia deste projeto surge quando, “Decorrente da situação pandémica e dos números muito acentuados em termos de COVID”, o Município de Gondomar decidiu criar um plano C, como explica a vereadora Cláudia Vieira ao VivaCidade. A responsável explica que, para além das estruturas distritais e dos espaços já preparados em Gondomar, como o Multiusos, “Sentiu-se a necessidade de assegurar e dar retaguarda” aos gondomarenses numa eventual rutura das infra-estruturas já criadas.

Para a Vereadora, a preocupação do Município é “Com as pessoas, nós não queremos, de maneira alguma que elas fiquem sem retaguarda. Foi nesse sentido que quisemos aqui aproveitar esta estrutura de referência do ponto de vista hospitalar e do serviço de saúde que é o Hospital Fernando Pessoa”.

Foi nesse sentido que a entidade camarária, realizou um acordo com o Hospital Fernando Pessoa de servir como Centro de Retaguarda. O mesmo aceitou a proposta.

No acordo estabelecido, o Município só irá pagar os serviços, caso nos próximos seis meses, aconteça alguma eventualidade. Até lá, Claúdia Vieira garante “Isto também tem aqui uma lógica de gestão financeira, em que só pagamos se viermos a precisar, uma vez que o Hospital Escola tem a sua estrutura já criada, tem os seus serviços já devidamente organizados. O que é uma mais valia para nós”.

Quanto ao encaminhamento dos utentes, fica à responsabilidade da validação da subcomissão da proteção civil e “Só iremos utilizar estes serviços, quando os outros todos se esgotarem”.

Para o Membro do Conselho de Gestão do Hospital Fernando Pessoa, Bruno Soares, esta parceria com o Município pretende dar resposta às eventuais necessidades desta pandemia. O intuito é colaborar seja a nível nacional como estrutura de retaguarda ou concelhio, com este novo projeto.

Assim, após a proposta da Autarquia, a equipa do Fernando Pessoa sentiu a necessidade de desenhar um modelo “Inovador”, com o intuito de dar resposta à comunidade. “Começamos logo a elencar aquilo que são as necessidades básicas. A parceria a ser criada divide-se em três áreas: a primeira é a hospitalização domiciliária, um projeto pioneiro, inovador, onde vamos utilizar uma unidade móvel, constituída por um médico, um enfermeiro e um auxiliar de saúde. A segunda será a hospitalização social para grupos que estão positivos e que não podem estar a coabitar com os outros utentes nas instalações e a terceira é uma enfermaria para acolher até 15 doentes”.

Definidos os três eixos, o Hospital depara-se com o problema do que era necessário para operacionalizar o plano delineado. É, nesse momento, que de forma “natural” entra em jogo as Águas de Gondomar, “Assim surgiu a possibilidade deste projeto ter a chancela desta entidade naquilo que nós designamos de responsabilidade social”. “Sentimos logo uma abertura total sendo que passado dois dias desta abordagem, tivemos a confirmação dessa disponibilidade. E conseguimos passar imediatamente à parte da operacionalização e, neste momento, temos a enfermaria completamente equipada e pronta para dar resposta às necessidades do Município” caso seja necessário.

Bruno Soares explica que “Já existem dotações para cada uma das tipologias que eu referi anteriormente. Estamos a falar que podemos ter capacidade de resposta para até 200 pacientes em internamento e 70 em resposta domiciliária. Portanto, se estamos a ajudar o país e se estamos a dar assistência de retaguarda ao serviço nacional de saúde, temos obrigatoriamente de estar disponíveis para a comunidade que nos acolheu, esta é a nossa filosofia”. Enquanto representante da direção das Águas de Gondomar Jaime Martins explica que a entidade tem esta vertente social e “Queremos estar presentes. Queremos estar ao serviço da comunidade. Muitas vezes não é isto que as pessoas pensam sobre nós, mas é isso que nós indiretamente fazemos e queremos fazer”.

“A primeira vez que falamos disto, a ideia agradou-me e, disse logo que tinha todas as condições para avançar. Levei à administração e eles aceitaram o projeto. Em seguida, entrei em contacto com o hospital e mostramos a nossa total disponibilidade para estar presentes. Estamos aqui também para ajudar a comunidade. Para nós isto não é uma obrigação, estas coisas têm de ser naturais e este é um projeto que gostamos. Nós entendemos que o Centro de Retaguarda é um projeto que está à nossa imagem e que os parceiros que temos são credíveis”, explica Jaime Martins.

Bruno Soares referiu ainda que: “A gestão de recursos que a Autarquia tem desenhado e tem posto em ação e, aqui é de salientar também o papel da Vereadora Cláudia Vieira nesta ação que tem sido importantíssima. Devo felicitá-la pela excelente iniciativa. Assim, isto tem sido bem pensado e bem delineado e que continuemos neste caminho que certamente iremos chegar a bons resultados no condicionamento desta pandemia, especificamente no Município de Gondomar”. ▪

- Publicidade -spot_img

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias