Próxima Edição - 18 de novembro

17.1 C
Gondomar
Segunda-feira, Outubro 25, 2021

União de Freguesias de Melres e Medas

Também pode ler

Na corrida às Autárquicas de 2021, foram apresentados três candidatos à disputa pela União de Freguesias de Melres e Medas. Pelo Partido Socialista (PS), o nome apresentado é o atual Presidente José Paiva. A representar o Partido Social Democrata (PSD), o nome proposto foi Manuel Gomes. Pela primeira vez este ano, o partido Chega também vai a jogo, o escolhido é Nuno Teixeira.

>José Paiva-PS

Com a camisola do PS, surge novamente na disputa para tentar conquistar o segundo mandato, o atual Presidente da União de Freguesias, José Paiva. Para o candidato a sua recandidatura era essencial, dado que, ainda “Há a necessidade de continuar o trabalho que foi iniciado há quatro anos atrás”. O edil, considera que, o tempo do primeiro mandato foi pouco para o que pretende ainda realizar e desenvolver em ambas as freguesias.

Dos últimos anos, o que mais pesa para o autarca foi o facto de não ter concluído o Centro de Dia, sobre o assunto o edil acrescenta ainda que: “Estamos a trabalhar para que, pelo menos a primeira fase esteja concluída até ao fim do ano. A pandemia teve alguma responsabilidade, se bem que não nos podemos desculpar com a pandemia, porque foi um processo que teve algumas burocracias pelo meio e essa foi, a razão principal de não conseguirmos cumprir com o que tínhamos prometido e que era de facto uma das nossas prioridades”.

No que concerne à candidatura para o próximo ano, a prioridade é dar continuidade ao trabalho realizados nos últimos anos que passa por, melhorar as acessibilidades no interior das duas freguesias. Para o autarca há ruas que necessitam de ser reabilitadas“E possibilitem a passagem dê pelo menos uma ambulância”. O responsável diz que é um trabalho demorado que tem vindo a ser realizado, no entanto é essencial continuar com ele.

Outro ponto evidenciado pelo edil é a valorização do património natural. Assim sendo, o objetivo passa por: “Valorizar as nossas serras, já com os trilhos criados do Parque das Serras, que será a nossa forte aposta. Valorizar o rio. O rio é um ponto fulcral quer em Melres, quer em Medas, e um dos nossos grandes objetivos é a reabilitação total do caminho mineiro. Um percurso que antigamente era realizado pelos Mineiros e que, interligava Melres a Medas, e que situa-se próximo à Margem dos rios”.

Outro objetivo do candidato passa pela revisão do PDM: “Agora com a revisão do PDM, conseguimos aumentar a área de construção. Isto porque nós aqui, enquanto freguesia rural, temos muitos terrenos agrícolas e florestais que, muitas vezes são de frente para os arruamentos públicos. Assim, consideramos que seria de todo o interesse -e é nisso que nos estamos a focar- criar, nessas frentes zonas de construção, com dois objetivos, por um lado, fixar os jovens das nossas freguesias e, por outro, atrair pessoas de fora. Com isto e tendo mais terrenos, os valores do mesmo iria reduzir”. Para além disso, pretendíamos a criação de uma zona industrial, “Não só para atrair as empresas, como também para manter as empresas de cá, assim elas terão condições de expandir-se”.

Quanto à relação com a Câmara, o autarca refere o seguinte: “No nosso caso e como em qualquer outra Junta, a Câmara nunca investe o suficiente, porque enquanto Presidentes queremos sempre mais, e mal o era se assim não o fosse. Agora, temos tido posições concertadas com a Câmara de Gondomar e dentro dessa concertação que tem existido, temos conseguido levar os nossos objetivos a bom porto e um desses que conseguimos, foi o facto da Câmara, por insistência nossa, assinasse o protocolo com o Melres DC, para a instalação do relvado sintético no campo. Também nas Medas, o Parque de Lazer, também está em fase final de projeto e vai ser uma realidade. E na rotunda da A41, estão já as obras a serem realizadas para jardinar, mas ali demorou mais tempo, porque houve problema com a concessionária da Autoestrada e que só agora é que conseguimos chegar a um acordo”.

Ainda sobre o papel da Junta, Paiva acrescenta ainda o seguinte: “Costumo dizer que a Junta de Freguesia serve para estar ao lado das pessoas para a resolução de pequenos problemas e influenciar as outras entidades, nomeadamente a Câmara, para as grandes obras e para os problemas que, infelizmente, nós não temos a capacidade de resolver”.

O edil conclui referindo ainda que, só se compromete com aquilo que pode fazer, “Eu não ando aqui a enganar as pessoas. Felizmente, naquilo que me comprometo com as pessoas no meu dia a dia, temos conseguido resolver”.

Caso as eleições não tenham o resultado pretendido pelo autarca, Paiva garante que fica na oposição: “Nós devemos assumir os nossos compromissos e, a partir do momento que me candidato irei manter o meu compromisso e, se ficar cá, obviamente que ficarei na oposição, porque considero que, o trabalho da oposição é tão útil, como aquele que está no poder, porque uma oposição influencia sempre o bom trabalho do executivo.

> Nuno Teixeira – CHEGA

Pela primeira vez, o Chega esta a concorrer às autárquicas. A vestir a camisola do partido, foi apresentado o nome Nuno Teixeira. O candidato é natural de Gondomar e ao VivaCidade revela que, a proposta de candidatura surge por- que é uma pessoa de confiança para o partido, “Prontamente aceitei o pedido, porque revejo-me nas ideias do partido”. Atendendo às propostas apresentadas na sua candidatura, Nuno aponta as seguintes falhas: “Os pontos que basicamente estão a falhar são sempre os mesmos: o acesso à saúde, continua a ser muito precário e moroso; as nossas vias de comunicação, infelizmente, são poucas e as que existem, muitas vezes nem bem tratadas são; o acesso a transportes públicos, a preços acessíveis e em horários condizentes com a necessidade da população, muito se fala do tema ambiental, mas o que vemos é que, cerca de 80% da população nacional e, neste caso gondomarense usam o próprio transporte para as suas deslocações laborais e escolares. Nós sabemos que o poder local, não tem muito poder, se não for apoiado e suportado pelo poder nacional, o poder decisório e economico não é muito, mas creio que, pelo menos temos que tentar ter umas escolas melhores e, principalmente mais seguras, dado que, nos dias de hoje, a segurança esta a ficar pior e, agora, os miúdos com a internet, tem acesso a tudo e, depois tentam transpor o que veem para dentro das escolas. Queremos renegociar ou rever melhores contratos com empresas privadas de transportes que há e funcionam muitas vezes melhor, porque tem noção que, se não prestarem o serviço pela qual foram contratados. E, ainda na segurança, mas mais voltada para as autoridades, na minha perspetiva está um pouco esquecida. A nossa PSP e a nossa GNR, não é propriamente bem tratada e bem remunerada”.

Quanto às eleições que decorreram em setembro, o candidato sente-se confiante: “Nós sentimo-nos sempre confiantes, uma pessoa quando vai para uma corrida sente-se sempre confiante ou pelo menos com força, para chegar ao fim. Agora também sabemos que o Chega ainda é um partido pequeno que está a crescer e que a disputa não será fácil, porque a nossa população vive na dictomia de PS\PSD. A população está sempre a reclamar das duas forças políticas, mas quando aparece alguém com novas ideias, fecham e não dão a oportunidade para que as pessoas as exponham”.

Sobre os resultados pretendidos, Nuno refere ainda o seguinte: “Honestamente, muito dificilmente serei eleito. Caso consiga assumirei o cargo na Assembleia”.

> Manuel Gomes – PSD/CDS

A representar o PSD, é apresentado o nome de Manuel Gomes à corrida. O convite para ocupar a posição na lista, surge na sequência “De uma atividade social e pública que tenho tido ao longo dos últimos trinta anos, dado que já fui candidato em anos anteriores”. O atual candidato já foi cabeça de lista em 2001, pelo Partido Socialista e em 2017, pelo Bloco de Esquerda, “Sempre na condição de independente” que aliás, foi a mesma condição que colocou à coligação do PSD- CDS. Para o candidato, o que o levou a aceitar o convite foi o balanço que realizou do presente mandato do PS: “Não é nem de perto, nem de longe, positivo e considerei que devíamos propor uma alternativa aos fregueses e, nesse caso, após ponderar aceitei o convite”.

Na perspetiva de Manuel, “O executivo falhou nas duas principais promessas que fez à população, que foi primeiramente, dar continuidade ao saneamento e, nessa matéria nada foi realizado, a não ser a surpresa desagradável que todos tivemos logo após a sua tomada de posse, em 2017, que foi o preço das mensalidades praticadas pela empresa Águas de Gondomar. O outro ponto corresponde a nível de conclusão do Centro de Convívio\Social aqui de Melres que, era uma das principais ou a principal promessa e nada foi feito, ou pouco foi feito, e o pouco foi mal feito. Só por isto podemos ver o de- sempenho do atual executivo”.

Assim, perante esta situação, Manuel refere que, é nesse sentido que “Sentimos a obrigação de apresentar à população uma alternativa que dê seguimento a estas duas questões”.

Quanto à campanha eleitoral, o representante refere o seguinte: “A nossa candidatura tem um desígnio e, depois várias metas que pretende alcançar. O nosso desígnio é recuperar a nossa identidade. Nós vamos afirmar com toda a clareza na nossa campanha eleitoral que somos favoráveis à desagregação da União de Freguesias e isso acaba por ter como premissa a recuperação da nossa identidade. E, a nossa identidade passa por trazer para os órgãos autárquicos, os Melrenses e os Medenses. Queremos recuperar o elo de afetividade com a população que de certa forma se perdeu, porque temos um executivo, sobretudo burocrático e administrativo e a nossa visão sobre a política é totalmente diferente. Depois iremos apostar fortemente na coesão social, porque estamos, francamente atrasados, em relação a qualquer freguesia ou concelho vizinho, e para nós esta temática é muito importante.

Apostaremos seguramente no desenvolvimento cultural, no empreendedorismo que também estamos muito carenciados, na escola que é um elemento fundamental da nossa ação política e, naturalmente o ambiente também é uma preocupação e a nossa aposta, considerando que estamos à beira rio”.

Quanto as eleições de setembro, o candidato espera que “Haja um reencontro de Melres e Medas com a sua identidade e a sua genuinidade que se quebrou, de certa forma, com o mandato do atual executivo. Essa é a principal mensagem que queremos passar para as pessoas e defender a todo o custo”. Sobre os resultados Manuel refere que está confiante com os resultados e consciente que é um desafio muito difícil, “Porque temos a consciência de que, quem está no poder, de certa forma tem alguma vantagem eleitoral, mas também estamos convencidos de que vamos passar a mensagem que pretendemos à população”.

O Candidato como forma de conclusão refere ainda o seguinte: “O nosso objetivo é a vitória, não podemos ignorar que só um é que pode vencer, todavia, nós vamos esperar pelos resultados eleitorais e depois tomaremos as decisões, sempre considerando que o voto deve ser respeitado”.

- Publicidade -spot_img

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias