Próxima Edição - 21 de outubro

16.2 C
Gondomar
Quinta-feira, Outubro 14, 2021

E canetas, não há?

Também pode ler

Há muitos anos, numa campanha para eleições autárquicas, um candidato percorria as ruas de Gondomar, com uma grande comitiva atrás de si, atirando “à regatinha” dezenas de canetas com o seu nome e partido inscrito. Numa das ruas principais de S. Cosme, um turbilhão eufórico de gondomarenses permanecia nos passeios, nas ruas, à porta dos estabelecimentos para ver passar a comitiva. A certa altura, o protagonista dessa candidatura atirou, freneticamente, mãos cheias de canetas para o ar, num gesto teatral muito parecido com o dos agricultores que atiram à terra as sementes que farão germinar o trigo. Imediatamente a seguir a esse gesto, um número grande de assistentes rastejou pelo chão atrás das canetas enfiadas nos bueiros ou debaixo dos carros estacionados. Não ficou uma caneta no chão. O protagonista ganhou as eleições. Uma das grandes medidas desse autarca foi dar a água que era de todos a uma empresa que passou a cobrar exorbitâncias por esse bem público que os gondomarenses pagam a preço “de ouro”. Depois desse vieram outros, com canetas e sacos e camisolas e isqueiros, cada vez mais sofisticados, vestidos com camisolas todas iguais, clones disfarçados do protagonista que já não mexe mas que deixou outro igual a si em seu lugar e, a par da água, outras medidas apareceram para dar lucro a meia dúzia de privilegiados e prejuízo a milhares de gondomarenses que continuam a pagar a água aos preços mais altos; a ver as rendas sociais a terem aumentos brutais; a pagar mais IMI; a serem obrigados a pagar estacionamento porque não têm alternativa para estacionarem os seus veículos; a usarem os seus automóveis porque não têm transportes públicos que cubram todas as suas necessidades; a ficarem fechados num quarto andar da sua habitação social, porque estão presos numa cadeira de rodas e o elevador não funciona apesar de a Câmara saber da situação; a verem-se privados de bens essenciais porque o desemprego chegou às famílias e o desespero não deixa o pensamento funcionar; a viverem uma vida sem alegria, sem lazer, sem cultura e sem felicidade; a verem-se obrigados a pedir, a implorar, a esquecer o seu amor-próprio e a sua dignidade. Desesperados, escolhem não votar, ou votar em branco ou anular o seu voto, porque estão fartos de ser enganados, escondendo-se atrás do falso “são todos iguais…”. A clarividência necessária turvou-se, as canetas apanhadas do chão não germinaram como as sementes do trigo atira- das à terra pelo agricultor e o eleitor passou a usar uma máscara que, pensa ele, o protege de ser enganado: a abstenção. Esquece-se o eleitor que mesmo com a sua abstenção, voto em branco ou voto nulo há sempre um protagonista que ganha as eleições e que va decidir sobre as políticas locais que vão ter consequências na sua vida diária. Esquece- -se o eleitor que o seu voto, consciente, sem canetas apanhadas do chão, poderia fazer a diferença e eleger um autarca honesto e competente. Esquece-se o eleitor de ler os papéis entregues por quem não dá canetas e refletir de forma crítica sobre as propostas que lhe são apresentadas, formando o seu pensamento e acção para a transformação e não para a resignação. Esquece-se o eleitor de se alegrar com a CDU quando recebe um programa, um compromisso, uma proposta, uma explicação sobre um assunto que lhe diz respeito e, também, quando recebe a resposta “Não, não temos canetas, mas podemos conversar consigo sobre coisas importantes para a nossa terra.” Esquece-se o eleitor de reconhecer que os candidatos da CDU cumprem o que prometem e esquece-se de perceber que, afinal, nem todos dão canetas.

- Publicidade -spot_img

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias