Próxima Edição - 16 de dezembro

10.4 C
Gondomar
Quarta-feira, Dezembro 1, 2021

Liga Dura: A Associação de Melres que ambiciona mais conquistas nacionais e internacionais

Também pode ler

Com uma história de luta, a Liga Dura é uma associação que ao longo destes 21 anos, apesar dos seus altos e baixos, tem vindo a ganhar palco nas competições nacionais e internacionais. Atualmente sediada em Melres, a Liga Dura não coloca limite nos seus sonhos e ambiciona muitos objetivos. Estivemos à conversa com o Presidente Manuel Gomes, que nos revelou tudo sobre a Associação.

Começo a nossa entrevista por perguntar-lhe, resumidamente, a história desta Associação.

A Liga-Dura, inicialmente, chamava-se Clube Náutico Desportivo de Melres e foi fundado em 1986. Após essa data, houve algumas complicações, a associação foi extinguida e tiveram que começar de novo. Foi nesse momento que, em 1997, a Associação reergueu-se com o nome Liga Dura, assumindo-se como uma Associação de Desporto, cultura, espetáculo e conhecimento. A retoma desta associação juntou modalidades como a dança, o aeromodelismo, os desportos radicais e a caça. Conforme os anos passaram, estas atividades foram deixando de estar associadas ao nome da nossa Associação. Atualmente, as nossas atividades são a dança e a canoagem.

Em 2017, quando entrei a associação estava muito pobre, mas conforme o tempo tem vindo a passar, ela tem vindo a crescer. Estamos com um crescimento muito grande a nível de número de atletas. Atualmente, contamos com cerca de 60 atletas na canoagem. Quanto à dança, devido à situação pandémica, o número de inscritos diminuiu.

Enquanto que, na canoagem conseguimos realizar algumas provas, infelizmente, na parte da dança não o podemos fazer, porque é considerado uma atividade de grupo. Mas mesmo quando assumi a presidencia, nós tínhamos um grupo consistente, com mais de 60 atletas e já conquistamos uma série de troféus nesta modalidade.

Como é que uma Associação consegue crescer de forma exponencial e ter, atualmente, atletas de alta competição?

Eu considero que foi o espirito de equipa presente na direção e com os pais. Todos eles deram um contributo muito importante. Na altura nós reunimo-nos, fizemos ver que a Liga Dura precisava de mais união e foi com esse pormenor que começamos a crescer, porque na minha perceptiva, a união é que faz a força. Todos juntos conseguimos que a Liga Dura crescesse com uma base sustentável. Em termos financeiros estamos bem, porque também é verdade que temos os apoios financeiros por parte da Câmara, como também da Junta de Freguesia de Melres. Depois outro ponto característico nosso é que estamos presentes em tudo o que nos ajude a angariar fundos, sejam festas, eventos, tudo o que é possível, nós fazemos para que consigamos comprar mais um barco, ou algo necessário para o funcionamento da associação. Tivemos a sorte de ter uma direção muito humilde e temos colhido muitos frutos de todo este esforço.

No entanto, temos algumas necessidades. A primeira é principalmente à noite, como está escuro, os miúdos têm dificuldades em treinar e nós precisávamos que colocassem aqui umas luzes ao longo da margem, com o intuito de iluminar toda a frente rio a uma distância de 40 a 50 metros. O pedido já foi realizado. Em simultâneo, já solicitamos uma plataforma para a entrada dos miúdos na água, porque no inverno para eles entrarem é mais difícil, por causa do frio. Precisávamos assim de uma plataforma decente. Assim como também temos um projeto acordado com a Junta de Freguesia, para um novo ginásio, assim os nossos atletas conseguem aceder a um espaço com mais condições do que têm atualmente. Porque a parte física é muito importante para a preparação física para as provas.

Na foto: Margarida Rodrigues, Manuel Gomes, Rafael Oliveira e Leonor Macedo

Que tipo de frutos é que vocês tem conquistado?

Por exemplo, a nível infantil, temos a Leonor Macedo que foi campeã nacional, temos o Rafael Oliveira e a Margarida Rodrigues que foram ao Campeonato do Mundo na Polónia e obtiveram boas classificações. A Margarida Rodrigues conseguiu conquistar a sétima posição em 4k juniores, na final dos 500 metros, femininos. Enquanto que o Rafael Oliveira ficou em quarto lugar, em 4k Juniores, também na final dos 500 metros, masculinos. No Campeonato do Mundo Ana Margarida ficou em oitavo, no 4k, na prova dos 500 metros. O Rafael Oliveira ficou em quarto classificado, também na prova dos k1, 500 metros. Para quem participa pela primeira vez, é muito importante uma classificação destas. É necessário salientar que até à data eles nunca tinham ido à Federação Portuguesa de Canoagem (FPC), no entanto desde que entrou o novo treinador, o José Cunha, ele incutiu nos atletas esta forma de estar e de treinar. Num ano, ele conseguiu um feito inédito, porque conseguiu colocar três atletas na FPC. O José Cunha tem o sonho de levar atletas da Liga Dura aos Jogos Olímpicos e nós estamos a fazer de tudo para acompanhar essa ambição que ele tem e temos a esperança que ele consiga esse feito.

Na dança, em 2017 e 2018, o escalão Crew obteve a primeira posição na Competição Internacional do evento Dancehall Camp Portugal. No ano de 2020, no espetáculo da academia de Dança Ana Monteiro, o escalão Kids obteve a quarta qualificação e o escalão Crew, obteve a segunda classificação. Entre outras conquistas.

Por detrás do trabalho dos atletas, que como é óbvio é muito grande, há uma equipa que faz com que tudo seja possível…

Por detrás do trabalho dos atletas, que como é óbvio é muito grande, mas há uma equipa que faz com que tudo seja possível…

Sim. Temos o César que é o nosso seccionista que é quem controla toda a secção da canoagem. Depois, temos o José Cunha, que é o treinador responsável a nível de competição. Temos ainda o Artur que é o responsável pelos miúdos dos 15 e 16 anos. E temos também o Tonito (alcunha) que é responsável pelo o treino dos mais novos. Para mim o treino de iniciação à canoagem é dos mais importantes, até para mim é o mais difícil porque é necessário ensiná-los a sustentar na canoa e a pagaiar. Esta vertente é muito difícil e o Tonito tem esse talento de ter a paciência de ensiná-los a dar as primeiras pagaiadas.

Quanto à dança, de momento temos as professoras Ana Paula Rodrigues e Flávia Moreira. As novas professoras permitiram uma maior abrangência nos estilos praticados, como por exemplo, o contemporâneo, o House e o hip hop…

Como é que é para um Presidente ter um clube que está a levar o nome de Melres além fronteiras?

Dado que, estes feitos, acabam por dar mais reconhecimento à associação, bem como à freguesia, porque não é todos os dias que conseguimos colocar um atleta num Campeonato do Mundo…

Para mim é uma responsabilidade muito grande, mas acima de tudo, é um orgulho.

É um orgulho muito grande saber que nós, Liga Dura, uma associação do Alto Concelho, de uma freguesia que não possui muitas coletividades e orgulha-me ver o trabalho que nós temos vindo a fazer e a forma como temos levado o nome de Melres para provas de prestigio de nível internacional e nacional. Eu acredito que o meu sentimento de orgulho, seja partilhado pela direção da Liga Dura, porque sentimos que estamos a fazer algo pela Freguesia de Melres.

Como é que funciona as inscrições e os treinos?

O processo é simples. Todos os anos realizamos candidaturas ao IPDJ, com o programa de iniciação à canoagem. Fazemos na altura do Verão, porque normalmente é a melhor altura do ano para aprendermos a andar de canoa, devido à água. Assim, nessa altura, procuramos fazer o programa ao IPDJ, para termos alguns fundos e ensinar às crianças a darem as primeiras pagaiadas. Normalmente, nós fazemos sempre publicações nas nossas redes sociais e distribuímos panfletos. A inscrição é sempre realizada no nosso clube e depois deixamos o nosso atleta divertir-se e no final se gostarem, ficam aqui no clube.

Quanto ao futuro, como vê a Liga Dura?

O meu mandato termina agora e pretendo dar o meu lugar a outras pessoas. Já está definido, deixei o meu trabalho feito. Quem vai ocupar o meu lugar, também sabe do trabalho e é a pessoa que está aqui a acompanhar-nos, por isso, certamente que a associação irá continuar em boas mãos.

Mas eu gostaria que neste momento a Liga Dura recuperasse na vertente da dança, porque com o Covid, ultrapassamos um período muito difícil e agora, temos poucos alunos na dança. O local onde nós realizávamos os treinos, que é na Escola Básica de Cimo de Vila, esteve-nos vedado e só no dia 12 de outubro é que começamos novamente com os ensaios. Assim, espero que com a retoma dos ensaios consigamos trazer mais alunos para a dança. Como já referi, a dança antes do covid era muito forte, inclusivamente, já tínhamos conquistado vários troféus nesta modalidade, mas eu penso que com a nova direção, com as escolas novamente abertas e com tudo novamente aberto, tenho a esperança que tudo volte a ser como era. ■

- Publicidade -spot_img

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias