A nadar rumo às vitórias

 

Ana Castro, Ana Querido e José Ribeiro - Clube Natação da Maia

Os atletas do Clube de Natação da Maia representam Portugal pelo mundo / Foto: Pedro Santos Ferreira

Dois jovens, de 23 anos, são atletas, nadadores, são campeões, e são pessoas com Síndrome de Down. Ana Castro e José Ribeiro, representam Portugal pelo mundo.

Quando uma criança nasce e lhes tiram as esperanças de virem a fazer a diferença torna-se difícil mostrar a todos que nada é impossível. Estes dois jovens são a prova disto mesmo. Nasceram com uma doença com um nome pomposo mas isso não lhes retirou a esperaça nem os fez desistir. São jovens com Síndrome de Down. São vencedores, são o José Ribeiro e a Ana Castro.

Os dois atletas de natação, mais a treinadora, estiveram a representar a Seleção Nacional de Natação Adaptada, nos terceiros campeonatos da Europa de Natação DSISO (Down Syndrome International Swimming Organization) onde sairam de lá muito orgulhosos e com prémios muito valiosos. Sairam de lá campeões.

Os dois são de Gondomar e treinam no Clube de Natação da Maia.

Sempre a persistir até que a diferença deixe de fazer parte do vocabulário, o nadador José Ribeiro, de 23 anos, diz que a sua paixão pela água começou desde pequeno “tenho esta paixão e quero continuar a competir. Comecei no infantário, depois saí e fui para o Sport Clube de Rio Tinto jogar futebol. Quando saí do futebol vim para o Clube de Natação da Maia”.

Estes dois nadadores lutam pelo clube e representam Portugal, e Ana sabe a importância de eles estarem lá: “É importante conseguirmos títulos, recordes e medalhas para Portugal. Foi importante ganhar estas medalhas. As provas em que me sinto melhor são as de longa distância. Gosto mais de nadar de costas”.

José tem como seu ídolo o Michael Phelps, é dele que retira a inspiração e a vontade de nunca desistir.

De croll, bruços e mariposa, os dois atletas alcançam as vitórias, graças à sua própria motivação mas também ao trabalho da treinadora Ana Querido, e segundo José “a treinadora é exigente e a exigência faz parte do nosso sucesso. Lido bem com isso”.

Cheios de sonhos e de muito suor, estes profissionais de água doce, prometem continuar a esforçarem-se com o objetivo de representarem o país no campeonato do mundo. Aliás José acha que está com “uma margem aceitável para ir ao próximo Campeonato do Mundo. Na piscina de 50 metros é mais complicado mas acho que vou conseguir”. Mas para isso é preciso continuarem a treinar e um dos estilos de natação preferido de José, é a maior dificuldade Ana, bruços.

Ana Querido, treinadora e diretora técnica regional da Associação Nacional Norte de Portugal, começou também por praticar natação: “fui nadadora de competição quando era mais jovem e tirei a licenciatura em Desporto e Educação Física na FCDEF (Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física). Tirei o mestrado em treino de alto rendimento na natação, modalidade em que baseei toda a minha formação. Neste momento estou a terminar o doutoramento na área da natação com pessoas com Síndrome de Down”.

A ideia de Ana Querido treinar pessoas com estas diferenças começou com uma proposta “da direção do clube que sugeriu formar uma equipa de natação adaptada. O clube surgiu em 2000 mas a natação adaptada surgiu cinco anos depois. No ano em que o clube abriu eu vim aqui acompanhar o centro de treinos.”

Mesmo com estudos, treinar estes jovens não é tarefa fácil, e a treinadora reconhece-o explicando que “é um desafio treinar estes atletas porque eles têm mais particularidades do que os outros. Eu acabo por vê-los como pessoas normais mas temos que ter em atenção as suas características o que torna esta atividade mais desafiante. As particularidades de cada um deles estão sempre presentes.”

Portugal começou a competir em 2010, em Taiwan, como seleção e o foco desta treinadora para ser melhor e não desiludir os seus atletas são outros atletas com Síndrome de Down: “prefiro focar-me no exemplo dos atletas com Síndrome de Down que têm uma associação internacional (a DSISO) que organiza estes campeonatos da Europa e do Mundo.

Estes dois jovens atletas vão-se desafiar a eles próprios, elevando as expectativas rumo ao campeonato mundial.

, ,