António Braz: “Espero que a chegada do Metro seja uma confirmação nos próximos anos”

António Braz - novembro 2018

António Braz, presidente da União das Freguesias de Gondomar (São Cosme), Valbom e Jovim / Foto: Pedro Santos Ferreira

Um ano após a tomada de posse, quais são as principais medidas implementadas em Gondomar (S. Cosme), Valbom e Jovim?
Esta União de Freguesias tinha algumas marcas muito vincadas e quando assumimos este desafio tentamos que isso não desaparecesse. Falo, por exemplo, de uma forte componente social e de uma Universidade Sénior de referência a nível nacional. Esses dois pontos seriam os mais significativos.
Quando chegamos tivemos o cuidado de não os fazer murchar e julgo que conseguimos melhorar, pontualmente, a sua influência.
Continuamos, além disso, a ter uma casa-abrigo, mais vocacionada para acolher pessoas com distúrbios mentais. Temos uma cantina social onde prestamos apoio diário a várias famílias. Em Jovim, também distribuímos alimentos em dois locais específicos. Mantemos abertas as duas lojas sociais em Gondomar e Valbom. Desenvolvemos e ampliamos os vários projetos a nível europeu.
Paralelamente a isso, neste primeiro ano construímos cerca de 1000 metros de passeio, por isso estamos aquém da nossa meta – 10 quilómetros em quatro anos -, mas tivemos que desviar alguns trabalhadores para a manutenção dos espaços verdes.

Após vários anos na Assembleia de Freguesia enquanto oposição foi eleito presidente desta União das Freguesias. O que o distingue do seu antecessor?
Tenho uma maneira diferente de agir. Quando sei que não é possível cumprir alguma medida, digo imediatamente que não. As pessoas dizem-me que não estavam habituadas a esse tipo de atuação, mas tenho a coragem necessária para dizer não quando é preciso. Exemplo disso foi a intervenção coerciva na limpeza de alguns terrenos deste território.

Continua a existir um desequilíbrio territorial de Jovim face a Gondomar (São Cosme) e Valbom. O que está previsto para Jovim?
Estou convencido que até ao fim do ano vamos inaugurar o Espaço do Cidadão em Jovim. É uma maneira de compensar aquele território.
Infelizmente, ainda não temos resposta para a instalação de um ATM no edifício da Junta por questões de segurança, que têm impedido que isso se concretize. Contudo, queremos dar esse serviço à população.

Se tivesse que escolher um problema que pudesse ver imediatamente resolvido, qual seria?
Vou escolher a chegada do metro ao centro de São Cosme. Tenho sensibilizado o Município para esse esforço e volto a repeti-lo. Espero que Gondomar seja escolhido na próxima fase, porque era um passo muito importante para esta União das Freguesias.

Em 2013, as três freguesias foram agregadas num processo algo polémico. Atualmente, já se pode chamar a este território uma união de freguesias?
Ainda há pessoas que gostariam de voltar a outros tempos, mas acredito que há, sobretudo, uma vontade de resolução dos problemas.

O que espera para os próximos três anos de mandato?
Espero que a chegada do Metro seja uma confirmação nos próximos anos. Chegando a Gondomar é uma mudança qualitativa muito significativa.
Em São Cosme, gostaria que houvesse um arranjo urbanístico na zona do Souto que permitisse dar um ar mais urbano a toda esta área. Em Valbom, apostamos na requalificação da entrada na cidade.
Esperamos também a inauguração do Parque Urbano de Fânzeres/São Cosme, que em breve será uma realidade.
Além disso, vamos continuar a sensibilizar a Águas de Gondomar para uma maior cobertura de saneamento público. Jovim ainda deverá estar apenas com 65% de cobertura da rede.

, , , ,