Azes Valboenses: coletividade quer renascer aos 80 anos

Azes Valboenses - março 2018

A Associação Azes Valboenses está a renascer junto dos valboenses / Foto: Pedro Santos Ferreira

Fundada a 1 de dezembro de 1937, a Associação Azes Valboenses Futebol Clube procura reerguer-se através de uma direção jovem, maioritariamente feminina, liderada por Joana Pinto. O Vivacidade foi conhecer o projeto.

Longe vão os tempos das conquistas no futebol e no atletismo, modalidades que estão na génese de uma das mais antigas coletividades de Gondomar, com sede em Valbom. Os Azes Valboenses, com sede nesta freguesia, na Rua Alexandre Herculano, fizeram história, juntaram diferentes gerações e foram um espaço de convívio entre velhos e novos, mas deixaram de o ser.

A continuidade da associação chegou a ser posta em causa, contudo, em 2016, uma equipa jovem, encabeçada por Joana Pinto, tomou as rédeas da coletividade e, desde então, reduziu o passivo de 12 mil euros e conseguiu um saldo positivo para os Azes. O trabalho foi árduo, envolveu muita dedicação, várias parcerias e está agora a dar resultados.

“A associação estava com uma dívida gigante e uma das hipóteses era fechar as portas. Decidi reunir uma equipa e ‘pegar’ nos Azes, porque sempre fui habituada a frequentar esta associação. Conseguimos liquidar a dívida, porque vendemos um grande terreno que nos pertencia, e já estamos a trabalhar na requalificação da nossa sede”, afirma a presidente da direção dos Azes Valboenses.

Os dirigentes já prepararam um plano de atividades que terá início após as obras de reparação e melhorias no edifício. Até ficar concluída a requalificação, as atividades vão continuar a realizar-se fora do espaço dos Azes Valboenses.

“São sobretudo atividades de intercâmbio internacional e cursos de formação para jovens. No entanto, também queremos promover a saúde e a atividade física nos mais velhos. Não colocamos grandes limites às nossas atividades porque os Azes são aquilo que as pessoas quiserem fazer deles”, acrescenta.

A direção, composta por 13 elementos, 11 femininos, faz-se valer das experiências profissionais de cada um dos membros para criar novas iniciativas que procuram revitalizar a coletividade.

Na agenda está também uma reunião com a Câmara Municipal de Gondomar para apresentar o plano de atividades desenhado e um orçamento para as obras de requalificação, que preveem a substituição do telhado da sede e o isolamento do edifício como principais prioridades.

“Temos 50 sócios ativos e estamos a tentar reorganizar a nossa lista de associados. Um dos objetivos que temos é contar a história da nossa coletividade através das vozes dos nossos associados. Esses podem ser momentos que aproximam os sócios da coletividade”, conclui Joana Pinto.

, , , ,