Banda Musical de São Pedro da Cova e Centro Republicano e Democrática de Fânzeres reconhecidos por Fânzeres e São Pedro da Cova

CRDF - julho 2017

O Centro Republicano e Democrático de Fânzeres foi reconhecido pelo seu centenário / Foto: Pedro Santos Ferreira

A União das Freguesias de Fânzeres e São Pedro da Cova promoveu, no dia 13 de julho, uma iniciativa de reconhecimento às coletividades que vigoram naquele território. As medalhas de platina foram atribuídas à Banda Musical de São Pedro da Cova e ao Centro Republicano de Democrática de Fânzeres.

A Escola Básica 2/3 de Fânzeres acolheu a cerimónia de reconhecimento da União das Freguesias de Fânzeres e São Pedro da Cova ao movimento associativo. As medalhas de reconhecimento público foram atribuídas numa homenagem que visou distinguir a importância das coletividades na sociedade atual.

“Entendemos que era importante distinguir os dirigentes associativos com 10, 25 e 50 anos de atividade. Além disso, oferecemos duas medalhas de platina a duas coletividades centenárias que tiveram origem no final do século XX”, afirma Daniel Vieira, presidente da União das Freguesias de Fânzeres e São Pedro da Cova.

Segundo o autarca, “o movimento associativo faz muitas vezes aquilo que o Estado não consegue fazer e, por isso, é importante reconhecer essa dinamização que as coletividades promovem nesta localidade”.

As coletividades homenageadas com a medalha de platina foram a Banda Musical de São Pedro da Cova e o Centro Republicano e Democrático de Fânzeres.

“Gostamos que as pessoas digam que somos poucos músicos mas que tocamos bem”
Ao nosso jornal, Barnabé Aguiar, maestro e presidente da direção da Banda Musical de São Pedro da Cova, mostra-se orgulhoso com o reconhecimento prestado pela autarquia.

“É sempre bom vermos a nossa história reconhecida. A banda terá sido fundada em 1900 e a sua atividade perdura até aos dias de hoje com uma ligação afetiva muito forte a São Pedro da Cova”, diz o dirigente associativo.

Para o maestro da banda, “nem sempre é fácil assegurar o futuro da coletividade” que depende, essencialmente, de músicos. “Somos uma associação, mas não funcionamos como as outras. Os nossos sócios são os músicos e sem eles não existe banda”, lembra Barnabé Aguiar.

Atualmente, a Banda Musical de São Pedro da Cova é composta por 35 elementos. A coletividade tem a sua sede na Rua Manuel Sousa Matos, em São Pedro da Cova.

“Este reconhecimento dá-nos alento para continuar a trabalhar diariamente”
Ana Paula Martins preside a direção do Centro Republicano e Democrático de Fânzeres (CRDF), a coletividade mais antiga desta vila gondomarense.

No que diz respeito ao reconhecimento prestado pela autarquia, Ana Paula considera “maravilhoso para a coletividade”. “Este reconhecimento dá-nos alento para continuar a trabalhar diariamente. Fomos considerados parceiros de excelência e isso significa que vemos reconhecido o nosso desempenho e a nossa história”, refere a dirigente.

A história da coletividade leva já 111 anos, mas nem por isso tende a esmorecer.

“Neste mandato a direção decidiu abrir as portas do Centro durante a tarde, a título experimental. Além disso, ainda não somos uma Instituição Particular de Solidariedade Social mas já podíamos ser. Os nossos estatutos preveem essa alteração. Creio que o futuro do CRDF passa por aí”, diz Ana Paula Martins. Na génese do projeto estará um serviço de apoio aos idosos da freguesia.

O CRDF tem a sua sede na Rua da Igreja, em Fânzeres.

, , , ,