Câmara disponibiliza passes de transportes públicos aos funcionários por nove euros

Executivo

Executivo garante que Município não aumentará os custos face à solução atual

A câmara de Gondomar vai disponibilizar aos 1800 colaboradores um passe de transportes públicos que dará acesso a todo o concelho, anunciou hoje o presidente da autarquia que com esta medida pretende conseguir “vantagens de mobilidade” e “evitar irregularidades”.

A autarquia assegura há mais de 30 anos o transporte de 149 funcionários em quatro circuitos, o que é ilegal de acordo com uma auditoria do Tribunal de Contas. Torna-se agora realidade o princípio da equidade entre os seus trabalhadores, numa medida inédita na vida municipal portuguesa. Com esta medida, que abrande todos os colaboradores da Autarquia, o Município não aumentará os custos face à solução atual, antes garante “um salto qualitativo pelo alargamento do acesso ao transporte a todos os funcionários”, graças a uma comparticipação de nove euros por cada passe. Já à autarquia cada passe ficará por 40 euros. “Estabelecemos um valor para os funcionários em jeito de responsabilização e vamos exigir um mínimo [ainda a definir] de utilização do passe. Com esta medida promove-se a mobilidade e reduz-se o uso de transporte individual e de emissões poluentes”, explicou Marco Martins à Lusa.

Lomba e Melres/Medas voltam a ter travessia fluvial

Ainda no capítulo da mobilidade, e à margem da reunião, o presidente da Câmara, Marco Martins, anunciou para julho a retoma da ligação fluvial entre Melres e a Lomba, que se encontra inativa há sete anos. De sublinhar que a ligação fluvial, que liga as duas margens do Douro, possibilita um ganho de, no mínimo, 60 minutos, nas deslocações em transportes públicos entre a Lomba e a sede do Município, ou o Porto.
Na reunião de hoje foi também aprovada, por unanimidade, a revogação do Regulamento do Programa DÁ (Direto Apoio) a famílias carenciadas, que será substituído pelo Programa Social +, que visa alargar a área de intervenção social do Município a quatro eixos fundamentais: + Alimentação, + Saúde, + Habitação e Fundo de Emergência.
Destaque, por fim, para a aprovação, com a abstenção do vereador da CDU, do Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo risco de corrupção e infrações conexas.

,