Catarina Monteiro: a riotintense da Casa dos Segredos

“Aprendi que a privacidade é um bem precioso”

Catarina Monteiro, Casa dos Segredos 1 / Foto: Ricardo Vieira Caldas

Catarina Monteiro, Casa dos Segredos 1 / Foto: Ricardo Vieira Caldas

A época de final de ano é já também, para muitos, sinónimo do final de alguns programas televisivos como os reality show. Em Portugal, a Casa dos Segredos (versão portuguesa do reality show francês original Secret Story) estreou em 2010 e assumiu-se como um dos programas televisivos mais vistos dos últimos tempos. E foi precisamente na primeira versão deste programa que Catarina Monteiro, riotintense de gema, participou. Ao Vivacidade, a ex-concorrente traça um perfil da sua vida atual e revela alguns ‘segredos’ do famoso programa televisivo.

Entrou para a Casa dos Segredos com 20 anos, em 2010. Passados três anos, o que mudou na sua vida?
Provavelmente, o que lhe vou responder a essa pergunta, vai parecer um clichê aos olhos da maior parte das pessoas – porque só quem passa por esta experiência poderá compreender – mas sem dúvida que a maior mudança é a que perdura no tempo. Hoje sou uma pessoa mais assertiva e confiante, o que contrasta com a enorme insegurança que eu tinha aos 20 anos. Profissionalmente, segui um percurso completamente normal: assentei ideias, procurei oportunidades e hoje exerço uma profissão que adoro.

Catarina Monteiro, Casa dos Segredos 1 / Foto: Ricardo Vieira Caldas

Foto: Ricardo Vieira Caldas

Esteve cerca de mês e meio na casa mais vigiada do país e viveu por dentro essa experiência. Alguma vez se arrependeu de ter participado?
Nunca. Se voltasse atrás e a minha vida tivesse os mesmos contornos voltaria a fazê-lo porque, nessa altura, não tinha nada a perder. Adorei o meu grupo e a minha edição [da Casa dos Segredos] mas se reformular a pergunta e perguntar se eu participaria atualmente respondia-lhe que não, sem hesitar. Na fase em que me encontro, jamais daria mão da minha privacidade e do meu emprego e nem poria em causa a estabilidade familiar.

, , , ,