Comerciantes da Areosa dizem-se “esquecidos” pela Câmara de Gondomar

Mercado da Areosa - 2015

O Mercado da Areosa foi remodelado em 2008 / Foto: Pedro Santos Ferreira

Autarquia continua a “acreditar que é possível criar uma nova dinâmica” naquele espaço

A Câmara Municipal de Gondomar e a Cooperativa de Solidariedade Social Povos de Gondomar assinaram, no final de abril, um protocolo que previa a cedência de seis espaços do Mercado da Areosa e a criação de uma nova dinâmica naquela infraestrutura e zona envolvente. Oito meses após a assinatura do protocolo o projeto está parado por “falta de condições”. Os comerciantes da zona dizem-se “abandonados”.

A Cooperativa de Solidariedade Social Povos de Gondomar (CSSPG) em conjunto com a Câmara de Gondomar avançou, em abril, com um projeto que previa uma nova dinâmica para o Mercado da Areosa e zona envolvente. A proposta contempla a criação de uma clínica social, um balcão do cidadão e uma feira de usados, contudo as infiltrações de água no 2.º piso do edifício suspenderam a concretização do projeto.

“Continuamos a achar que existe uma intervenção útil a realizar naquele espaço, no entanto, a empresa de telecomunicações e as nossas formações não podem ser continuadas porque não temos condições para trabalhar. Se daqui a seis meses as condições continuarem iguais provavelmente iremos abandonar o projeto porque não vamos ter condições para continuar”, afirma Paulo Teixeira, presidente da Cooperativa, que espera ver o problema resolvido “o mais cedo possível”.

Contudo, o responsável pela Cooperativa reafirma a crença “no compromisso que existe com a autarquia” para garantir uma nova dinâmica ao Mercado da Areosa.

“Continuamos a acreditar que é possível criar uma nova dinâmica”

Em entrevista ao nosso jornal, Marco Martins, presidente da Câmara Municipal de Gondomar, lamenta as infiltrações de água no edifício e reforça a aposta na nova dinâmica prevista para o Mercado. “Surgiram alguns imprevistos que afetaram o ritmo que gostávamos de ver adotado, mas tão depressa quanto for possível essa dinâmica será uma realidade”, explica o edil gondomarense.

O presidente do Município garante a continuidade do contact center e adianta que o procedimento do contrato de obras de reparação “foi assinado por estes dias”.

Em resposta às dificuldades dos comerciantes locais, Marco Martins refere que a redinamização da zona “não é fácil” e “vai levar o seu tempo”. No entanto, o presidente garante que o Município poderá “levar a missão a bom porto”.

“Haverá novidades no início de 2016. Há um projeto relativo à concessão do estacionamento que vai ser discutido na primeira Assembleia Municipal”, conclui Marco Martins.

“O comércio tradicional está em crise”

Ao Vivacidade, Nuno Fonseca, presidente da Junta de Rio Tinto, admite que a zona comercial da Areosa “ainda não teve a mudança necessária”. Para o autarca “é preciso outro tipo de investimento naquela zona e obras de modificação do Mercado para dinamizar o comércio tradicional”. No entanto, Nuno Fonseca considera que o problema não está circunscrito à zona da Areosa. “O comércio tradicional está em crise”, refere o presidente da Junta riotintense.

ACIG quer apoiar comerciantes da Areosa

Graciano Martinho, presidente da Associação Comercial e Industrial de Gondomar (ACIG), alerta os comerciantes para a oportunidade de participarem no programa Comércio Investe dedicado à zona da Areosa. “Temos aprovado um apoio de 400 mil euros para os comerciantes da zona da Areosa e queremos ajudar a revitalizar aquela zona comercial”, afirma o dirigente.

, , , , ,