Ei Marionetas: mais público a sublinhar o sucesso

Espetáculos, exposições, conversas e concertos: a quinta edição do EI! – Encontro Nacional de Marionetas de Gondomar teve um pouco de tudo por todo o lado. A aposta na “descentralização” do festival revelou-se um sucesso.

A grande novidade do encontro de marionetas deste ano foi a política de “descentralização” com espetáculos a realizarem-se em todas as freguesias do concelho, envolvendo assim diferentes públicos, com diferentes sensibilidades culturais.

Para Luís Araújo, vereador da cultura da Câmara Municipal de Gondomar, este edição foi pautada pelo sucesso, destacando o facto de todas as freguesias do concelho terem sido envolvidas.

“O balanço que fazemos desta edição é sem qualquer dúvida muito positivo, quer pelo facto de termos alargado esta iniciativa a todas as freguesias, quer pelo aumento do público em relação à última edição.

A aposta na descentralização e a qualidade dos espetáculos e workshops apresentados durante o EI Marionetas, permitiu chegar a novos públicos, divulgando o evento ao mesmo tempo que incutíamos nas pessoas o gosto, curiosidade e a aprendizagem desta arte, o que se traduziu em espetáculos completamente lotados e públicos satisfeitos”.

Enraizado na programação cultural do concelho, a saída do EI para todas as freguesias do concelho abriu a porta a novos públicos que tiveram acesso a espetáculos que de outra forma possivelmente não assistiriam.

“Desde a primeira edição, que o objetivo foi a aposta numa melhoria contínua do EI Marionetas, quer em termos de programação, quer do seu alcance. Esse objetivo está a ser atingido e nesta edição, pela primeira vez, foi estipulado chegar a todas as Freguesias e obviamente captar novos públicos.

Por exemplo, termos levado o EI ao Gasómetro, permitiu estabelecer uma parceria com uma iniciativa bastante enraizada no concelho que enriqueceu por um lado a programação do gasómetro e permitiu alcançar um público que provavelmente não participaria neste evento.

Considero muito importantes estas parcerias, pois vão captar pessoas, que muitas vezes é a primeira vez que têm contato com este tipo de espetáculos e com certeza numa próxima edição já são essas mesmas pessoas que vão procurar participar nos espetáculos desta natureza”, afirmou o vereador.

 A duração do festival este ano foi também uma novidade com a programação a estender-se por mais dias, uma realidade que só foi possível, nas palavras de Luís Araújo, pelos apoios que este ano foram concedidos.

“O apoio da DGARTES, permitiu a aposta numa programação eclética, com companhias de renome internacional, bem como algumas das melhores companhias nacionais, por um período mais alargado de tempo, cerca de 15 dias, o que obviamente sem este apoio seria difícil de concretizar. Claro, que tal como tem acontecido nas edições anteriores, manteríamos a aposta na qualidade, no entanto, não seria de todo possível estender a duração deste evento como aconteceu”.

Desafiado pelo Vivacidade a eleger um ponto alto deste festival, Luís Araújo preferiu destacar a forte adesão do público a todos os espetáculos, bem como o trabalho que foi desenvolvido ao longo do ano entre a Companhia de Teatro e Marionetas de Mandrágora e a comunidade local.

“É difícil definir um ponto alto deste Festival, uma vez que tivemos projetos muitos dispares e todos eles com elevada adesão do público. Aliás, muitos dos espetáculos como todos os workshops estiveram completamente lotados o que não é de propriamente de admirar, visto a qualidade das companhias presentes.

É de salientar o trabalho que foi desenvolvido ao longo do ano entre a Companhia de Teatro e Marionetas de Mandrágora (parceiros da Câmara Municipal de Gondomar neste evento) e a comunidade local, que inclui a comunidade escolar, associações e publico em geral e que durante este Festival, tiveram a oportunidade de apresentar o resultado desse mesmo trabalho efetuado, que resultou em espetáculos interessantíssimos e também de grande qualidade”.

,