Daniel Vieira: “Vamos disputar a presidência da Câmara Municipal de Gondomar”

Daniel Vieira - abril 2017

Daniel Vieira será o candidato pela CDU Gondomar / Foto: Pedro Santos Ferreira

Daniel Vieira, 31 anos, será o candidato da Coligação Democrática Unitária (CDU) à Câmara Municipal de Gondomar. O atual presidente da União das Freguesias de Fânzeres e São Pedro da Cova diz-se “em condições de assumir a candidatura à Câmara de Gondomar”, após 12 anos de experiência autárquica. 

Quais as principais motivações desta candidatura? O que levou a CDU à escolha de Daniel Vieira como candidato à Câmara Municipal de Gondomar?
Existe uma conjugação de três fatores que levaram ao avanço desta candidatura: uma vontade de um coletivo [CDU] que deposita confiança em mim e considera que estou em condições de assumir esta candidatura; a minha disponibilidade pessoal, após 12 anos em funções na Junta de Freguesia de São Pedro da Cova e na União das Freguesias de Fânzeres e São Pedro da Cova, com a respetiva experiência que acumulei nessas funções; a percepção que largos setores da população do concelho acreditam nesta alternativa à atual gestão do Município de Gondomar.

Qual será o objetivo da CDU nas Autárquicas 2017?
Vamos disputar a presidência da Câmara Municipal de Gondomar. Estão reunidas as condições para que isso aconteça, quer pelo exercício da atual governação do Município quer pelo descontentamento que temos vindo a registar.

Isto leva-nos a crer que a CDU poderá, pela primeira vez, conquistar um Município no norte do país.

Em 2013, a CDU regressou à vereação da Câmara de Gondomar. A ambição de disputar a presidência surge na continuidade do resultado anterior?
Exatamente. Lembro que, no distrito do Porto, Gondomar foi o concelho em que a CDU elegeu o maior número de mandatos. Nesse sentido, existe um caminho trilhado e com a experiência que temos na vereação, no executivo da União das Freguesias de Gondomar, Valbom e Jovim e na União das Freguesias de Fânzeres e São Pedro da Cova, acreditamos que a CDU tem a força necessária para garantir melhorias para Gondomar.

Tais como?
Garantir que Gondomar não continuará a estar na cauda da Área Metropolitana do Porto (AMP), por exemplo. Sempre que se discutem projetos fundamentais para a AMP o concelho de Gondomar tem sido preterido. Foi o caso recente da discussão do alargamento da rede do Metro do Porto. Uma vez mais, Porto e Gaia saíram beneficiados com a expansão da rede nos seus territórios. Em Gondomar, a expansão voltou a ser adiada.

Existem também áreas do concelho sem rede de saneamento totalmente concluída e a gestão socialista esqueceu completamente esta matéria. Não esquecemos, por exemplo, a falta de condições para a instalação de unidades industriais em Gondomar. Perdemos uma oportunidade única com a revisão do Plano Diretor Municipal.

Além disso, Gondomar tem potencialidades naturais únicas e pouco se avançou no processo do Parque das Serras do Porto. Também a ampliação da zona Polis, junto ao rio Douro, ficou parada, entre outros aspetos que queremos solucionar.

Na sua opinião, este foi um mandato de oportunidades perdidas?
Julgo que se poderia ter feito melhor. Vamos procurar transmitir propostas e projetos, porque não nos queremos centrar apenas na crítica. Não contém connosco para justificar os erros do presente com a ação do passado. Este executivo seguiu esse rumo durante todo o mandato e foi culpando sistematicamente a gestão de Valentim Loureiro. Isso não faremos.

Nas últimas eleições [2013], esta maioria teve um resultado que não esperava e elegeu vereadores que não contavam ser eleitos, porque houve uma candidatura [Fernando Paulo] que foi impedida de disputar o ato eleitoral. Durante este mandato, a atual maioria não soube fazer “pontes” com o eleitorado que não queria uma gestão socialista. Nesse sentido, sentimos o apoio de muitos que estão disponíveis para desta vez votar na CDU.

O que podem esperar os gondomarenses do período de campanha eleitoral?
Podem esperar uma campanha feita pela positiva, inclusiva e que procure o contacto com as forças vivas desta terra. Queremos centrar a nossa ação nas propostas e nos projetos, além de afirmar o que de melhor temos em Gondomar: ourivesaria, tradições mineiras, o nabo, as nozes, o sável e a lampreia, os valboeiros, os rios, as serras, entre outros elementos que têm que ser afirmados a nível regional e até nacional.

Neste mandato, a atual maioria esteve essencialmente preocupada em apagar uma imagem do passado e perdeu demasiado tempo nesse processo. Isso não é algo que se decrete, conquista-se.

Este executivo preocupa-se exageradamente com a publicidade em vez de procurar a solução para os reais problemas do concelho.

Caso a CDU vença as eleições, qual será a primeira grande medida que procurará implementar?
A primeira grande medida será o diálogo com os trabalhadores do Município, que são parte fundamental do desenvolvimento deste concelho. Os trabalhadores têm que se sentir motivados e devem ser parte do projeto que temos para o nosso concelho.

A Câmara de Gondomar é o maior empregador do concelho, por isso é necessário encarar os trabalhadores como um grande capital que o Município dispõe e muitas vezes esta Câmara geriu a sua atividade em confronto com os seus trabalhadores. Esta será a nossa primeira preocupação.

Caso a CDU não vença as eleições e seja eleito vereador do Município de Gondomar, irá exercer o cargo?
O que quero garantir às pessoas é que estou em Gondomar a tempo inteiro. E estou em Gondomar para ser presidente da Câmara Municipal. Além disso, quero garantir que serei exatamente o mesmo no dia 2 de outubro, após as eleições. Vou manter a minha disponibilidade e motivação para a política. Quero servir e não servir-me da política. E se tiver que ser, pois que seja agora.

A União de Freguesias de Fânzeres/São Pedro da Cova é atualmente gerida pela CDU. Vai merecer uma atenção especial do partido nas próximas eleições?
Em Fânzeres/São Pedro da Cova assumimos responsabilidades executivas e somos força maioritária, por isso, naturalmente queremos continuar a afirmar o projeto que temos desenvolvido naquele território. Queremos, obviamente, continuar à frente dos destinos de Fânzeres/São Pedro da Cova.

Há um sucessor natural ao seu cargo na União das Freguesias?
Procuramos sempre valorizar o trabalho coletivo deste executivo. Há uma marca da CDU na gestão de ambas as freguesias e a população irá certamente valorizar isso nas próximas eleições. A CDU ainda não tornou público o nome do próximo candidato à União de Freguesias e será o partido a fazer esse anúncio, mas a candidatura deverá assentar sobretudo numa boa equipa e num bom projeto.

Pessoalmente, julgo que 12 anos é tempo suficiente para agora poder abraçar outro projeto. Apesar disso, tudo farei para que a CDU continue a desenvolver o seu projeto em Fânzeres/São Pedro da Cova.

Também posso assegurar que caso seja eleito presidente da Câmara de Gondomar irei procurar a reversão do processo de agregação destas freguesias.

Candidato apresentou-se aos gondomarenses
A apresentação pública do candidato Daniel Vieira à presidência da Câmara Municipal de Gondomar realizou-se no dia 19 de abril, no auditório da Associação Comercial e Industrial de Gondomar (ACIG).

, ,