Entrevista a Joaquim Espírito Santo (BE): “Não faz sentido tirar representatividade às pessoas”

Joaquim Espírito Santo / Arquivo Vivacidade

Joaquim Espírito Santo / Arquivo Vivacidade

Foi com 17 anos, enquanto estudava na Escola Alexandre Herculano que viveu o momento político mais marcante, o 25 de abril. Joaquim Espírito Santo, candidato pelo Bloco de Esquerda à união de freguesias de Fânzeres e São Pedro da Cova, esteve sempre ligado a uma ideologia de esquerda e nunca considerou o PS “verdadeiramente de socialista”. O militante do Núcleo de Gondomar do Bloco de Esquerda, desde a sua origem, foi eleito há oito anos para a Assembleia de Freguesia de Fânzeres, recusou ir para o executivo PSD/CDS, por incompatibilidade política, e é contra a união de freguesias em Portugal.

O que pensa da união de freguesias?
O BE sempre se opôs a esta reforma administrativa territorial autárquica. Fizemos moções que foram apoiadas, exceto pelo PSD, para que a reforma não avançasse porque consideramos que representa uma perda de democracia. A proposta do BE é baseada na participação, democracia e transparência dos processos. A população devia fazer um voto de rejeição à união de freguesias. Depois do que PS e PSD fizeram às autarquias ninguém devia votar neles, deviam ser os grandes derrotados.Fui nascido e criado aqui [Fânzeres], mas Fânzeres e S. Pedro da Cova são identidades completamente distintas, não faz sentido representar 50 mil pessoas.

Qual é a principal aposta da sua candidatura?
A transparência dos processos e a participação das pessoas. Consideramos isso essencial e por isso temos apresentado ao longo deste tempo propostas como orçamentos participativos. As freguesias deviam criar gabinetes de levantamento de crise, onde seria possível haver uma noção dos problemas da freguesia.

Que problemas existem nas freguesias de Fânzeres e S. Pedro da Cova?
Não há nenhum levantamento dos prémios devolutos e era importante fazê-lo, nomeadamente em Fânzeres. A nível ambiental, as margens dos rios de Fânzeres e S. Pedro da Cova poderiam dar boas zonas de parques urbanos.

, ,