Entrevista Arménio Martins: “Trabalhar com uma personalidade como o Major Valentim Loureiro torna-se fácil, mas não é fácil”

Armenio Martins

Arménio Martins, Vereador da oposição na Câmara Municipal de Gondomar

Vereador da oposição na Câmara Municipal de Gondomar, Arménio Martins deixou as suas origens transmontanas há 16 anos para se dedicar a Gondomar. Sem pelouro no presente mandato, o vereador do Partido Socialista integrou a autarquia pela primeira vez quando Pedro Batista foi candidato e seguiu os restantes cabeças de lista [Ricardo Bexiga, Manuel Martins e Isabel Santos], com a exeção do atual, Marco Martins, com quem cortou relações pessoais.

Como correu a sua vereação na Câmara de Gondomar, nos últimos quatro anos?
Como em todas as gestões, existiram altos e baixos. Se fossemos nós a gerir, teríamos agido de outra maneira. Estes últimos quatro anos não foram nada especiais porque o investimento foi fraco, comparativamente com os mandatos anteriores. Mas tem marcas positivas para o concelho, das quais na altura alertei que agora deveriam ser repensadas. Estou a falar do Parque da Ourivesaria.
Sempre fui um grande defensor, mas há quinze anos quando a ourivesaria em Gondomar era próspera. Agora, este pode ser outro elefante branco.  Mas existem outras marcas – com ou sem dinheiro do Governo –, como os centros escolares.  E a educação é prioritária.

É fácil ser vereador com o executivo de Valentim Loureiro?
Trabalhar com uma personalidade como o Major Valentim Loureiro torna-se fácil, mas não é fácil. Desde que não haja um confronto direto, é fácil. A partir do momento em que há um confronto direto, a personalidade dele permite que se entre em conflito. Eu não tive grandes conflitos com ele, mesmo quando fui presidente da concelhia e pedi duas vezes a sua demissão.

No geral, os vereadores deste mandato, do PS, dizem que houve uma relação de cordialidade com o executivo e que pode mesmo ser um exemplo a nível nacional nesse sentido. Concorda?
Não sei se será exemplo mas houve uma relação cordial, mesmo apresentando propostas alternativas. Mas também nunca houve grandes comunicados. Porque quando fiz comunicados, ouvia algumas “bocas”.

Acredita que os próximos vereadores do PS poderão desempenhar boas funções?
Acho que sim. Se o partido entendeu que eles eram os melhores, quem sou eu para discordar daquilo que a maioria aprovou. Em relação ao Marco Martins e principalmente ao Luís Filipe Araújo acredito que têm capacidades mas parafraseando aquilo que ele [Marco Martins] vos disse uma vez acerca de uma camarada: “Há pessoas que não me desiludem porque nunca me iludiram”.

,