Experiência-piloto de rastreio visual arranca em Gondomar

A experiência foi inaugurada no ACES Gondomar / Foto: Direitos Reservados

A experiência foi inaugurada no ACES Gondomar / Foto: Direitos Reservados

A Agrupamento de Centros de Saúde de Gondomar foi escolhido pelo Governo para arrancar com um grupo de experiências-piloto de rastreio de saúde visual infantil.

Foi inaugurado no dia 6 de maio um projeto piloto de rastreio visual infantil no Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) de Gondomar. O protocolo de cooperação foi assinado no Centro de Saúde de Rio Tinto.

A iniciativa resulta da inclusão do Município no grupo de experiências-piloto que o Governo criou em dois centros hospitalares e quatro ACES da região Norte: Porto Ocidental, Porto Oriental, Gondomar, Maia e Valongo, além dos Centros Hospitalares do Porto e São João.

O programa vai ser composto por rastreios de Norte a Sul do país, que serão divididos em duas fases, abrangendo a população infantil. Numa primeira fase, serão observadas todas as crianças no semestre em que completam dois anos. Durante a segunda fase, haverá um segundo rastreio a cada criança quando tiver entre quatro e cinco anos.

De acordo com o site do Sistema Nacional de Saúde (SNS), o segundo rastreio tem como função “detetar novos casos de crianças com ambliopia ou que podem vir a desenvolver, aferir a qualidade (sensibilidade do rastreio inicial aos dois anos) e compreender a evolução temporal dos erros refrativos na população portuguesa”.

As crianças com rastreios positivos serão referenciadas para uma consulta de oftalmologia no SNS, num centro capaz de diagnosticar e tratar a condição oftalmológica da criança, num período máximo de quatro semanas.

, , ,