Festas do Concelho: outubro traz concertos, tasquinhas, fogo de artifício e procissão

Festas do Concelho - setembro 2018

A procissão continua a ser o expoente máximo da Feira das Nozes / Foto: Arquivo Vivacidade

Com o mês de setembro a acabar, faltam ainda mais de 15 dias de festa nas ruas de Gondomar (São Cosme). Há nozes, caldo de nabos, farturas, regueifa, vinho doce e outras iguarias para descobrir, a par da programação oficial da Feira das Nozes, que promete concertos, tasquinhas, fogo de artifício e a tão aguardada procissão em honra de São Cosme, São Damião e Nossa Senhora do Rosário. 

Até 14 de outubro o concelho de Gondomar não para. Motivo? As Festas do Concelho, uma tradição com mais de 300 anos de história, que traz a Gondomar milhares de visitantes.

Para trás ficaram a Noite Branca de Gondomar, o 4.º Merend’Ouro, um concerto de Júlio Resende com Júlio Machado Vaz, o 23.º Desfile Nacional do Traje Popular Português, o 29. Encontro de Dança do “Vai Avante” e os Corais na Festa, entre outras iniciativas, mas por estes dias não faltam motivos para visitar São Cosme.

Na calha estão iniciativas como o Artesanato D’Ouro, evento que dá continuidade à antiga Feira de Artesanato, entre os dias 26 e 30 de setembro; o Festival Internacional de Plectro; a 18ª edição da Feira das Tasquinhas, que se volta a dividir entre dois fins de semana, no Mercado Municipal de São Cosme, nos dias 4 a 8 de outubro e 12 a 14 de outubro; e a tradicional sessão de fogo de artifício, no dia 6 de outubro;

A atenção vai também para os concertos das Festas do Concelho. A Orquestra Sinfónica do Porto vai dar o mote, no dia 4 de outubro, às 22h, na Via Direcional.

Este ano, a organização optou ainda por convidar Rui Veloso, que atua na Via Direcional, no dia 5 de outubro, pelas 22h, e a fadista Carminho, que sobe ao palco do anfiteatro do Largo do Souto, no dia 12 de outubro, à mesma hora. Os concertos têm entrada livre.

Contudo, os eventos de caráter religioso têm também grande expressão no cartaz desta edição da Romaria do Rosário.

No dia 3 de outubro há nova Conferência dos Padroeiros, desta vez dedicada ao tema “Santus Cultus” pelo cónego José Paulo Abreu, vigário geral da Arquidiocese de Braga.

Merecem ainda referência as homílias dos dias 5 de outubro, pelo Padre Alípio Barbosa, pároco de Gondomar; 7 de outubro, por D. António Vitalino Dantas, bispo emérito de Beja; e 8 de outubro, por D. Manuel Linda, bispo do Porto.

A grandiosa procissão de louvor e honra a Nossa Senhora do Rosário e aos padroeiros São Cosme e São Damião está marcada para as 16h, no dia 8 de outubro [feriado municipal], com partida da Igreja Matriz de Gondomar, como manda a tradição.

As Festas do Concelho de Gondomar contam com organização da Câmara Municipal de Gondomar e da Confraria de São Cosme, São Damião e Nossa Senhora do Rosário, tendo o apoio de vários parceiros e coletividades gondomarenses.

Até 14 de outubro são, assim, esperados milhares de visitantes, seja por motivos religiosos ou profanos.

Município de Gondomar e Confraria unem esforços no planeamento da Feira das Nozes
À semelhança das edições anteriores, a Câmara Municipal de Gondomar e a Confraria de São Cosme, São Damião e Nossa Senhora do Rosário voltam a unir esforços no planeamento da programação oficial das Festas do Concelho.

“Este ano, os concertos em destaque são do Rui Veloso e da Carminho, mas também destacamos a atuação da Orquestra Sinfónica da Casa da Música também vai subir ao palco do Largo do Souto, com um espetáculo produzido exclusivamente para esta romaria”, afirma Luís Filipe Araújo, vereador da Cultura do Município de Gondomar.

Francisco Ascenção, da Confraria, também vê na última romaria do Norte do país uma excelente oportunidade para os católicos fiéis visitarem a Igreja Matriz de Gondomar.

“Notamos que a procissão ainda arrasta consigo milhares de visitantes. Isso foi visível no ano passado, por exemplo, e é assim sempre que as condições meteorológicas nos ajudam. Nesta edição vamos tentar substituir a publicidade sonora no percurso por uma explicação bíblica e dos andores que seguem na procissão, porque não podemos deixar que estas tradições caiam no esquecimento”, conclui.

, , , , , , ,