Gondomar não esqueceu as conquistas de Abril

Comemorações 25 de Abril - maio 2018

A sessão solene realizou-se no salão nobre da Câmara de Gondomar / Foto: Pedro Santos Ferreira

A Câmara Municipal de Gondomar e restantes órgãos autárquicos não passaram ao lado do 44.º aniversário do 25 de Abril de 1974. A efeméride foi assinalada com diversas iniciativas de cariz político, cultural e desportivo. 

No dia 25 de abril, o Município de Gondomar realizou a tradicional sessão solene que assinalou, este ano, o 44.º aniversário da Revolução dos Cravos. Aníbal Lira, presidente da Assembleia Municipal de Gondomar, moderou a sessão que contou com depoimentos de todas as forças políticas [ver caixa] representadas neste órgão autárquico.

“Quarenta e quatro anos depois, esta data é uma evidência para o futuro que persiste na consciência política da esmagadora maioria dos portugueses. O 25 de Abril foi sempre inseparável da democracia e é sinónimo de inúmeras conquistas e de evolução patriótica. O futuro é a democracia”, disse Aníbal Lira no encerramento da sessão.

Antes, Marco Martins, presidente da Câmara Municipal de Gondomar, tinha salientado a importância da representatividade autárquica. “Abril permite-nos trabalhar e ter mais responsabilidade. Temos que defender um Portugal forte na Europa e a democracia com paz e sem guerras. Viva à democracia e à liberdade!”.

Conferências e concerto de Paulo de Carvalho evocaram Dia da Liberdade
O programa das comemorações do Município ficou marcado pelas tradicionais Conferências de Abril, que contaram este ano com as presenças de José Adelino Maltez e Adriano Moreira.

Pelo concelho passou ainda o músico Paulo de Carvalho, com um espetáculo realizado no Auditório Municipal de Gondomar. No mesmo palco atuaram também a Banda Musical de São Pedro da Cova, o Grupo Coral Vox Populi e o Coro Amizade.

A Banda Musical de Gondomar atuou nos Paços do Concelho, antes da sessão solene.

Festa alargou-se às freguesias
Rio Tinto foi a primeira freguesia a solenizar o 25 de Abril de 1974. À semelhança de anos anteriores, na noite de 24 de abril, a Assembleia de Freguesia reuniu-se nos jardins da Junta para as habituais intervenções políticas.

No dia 25 de abril, a União das Freguesias de Fânzeres e São Pedro da Cova concretizou o ponto alto de um vasto programa de atividades alusivas à Revolução dos Cravos. No total, foram mais de 40 iniciativas realizadas.

A sessão solene teve lugar no auditório da Junta de Freguesia de São Pedro da Cova. Antes, a Assembleia de Freguesia assinalou a data na Junta de Freguesia de Fânzeres.

Em Baguim do Monte, teve lugar a sessão solene e a atribuição de medalhas de mérito a baguinenses de sucesso. Por sua vez, na União das Freguesias de Gondomar (São Cosme), Valbom e Jovim, a autarquia optou apenas pelo tradicional hastear das bandeiras nos três edifícios da Junta.

Intervenções dos membros da Assembleia Municipal de Gondomar:

Pedro Oliveira, CDS-PP:
“Celebramos hoje mais uma efeméride do 25 de Abril de 1974. Foram tempos de um cinzentismo social, não havia perspetiva, esperança ou futuro. Uma palavra aos militares da altura, que se atreveram a recolocar Portugal no caminho da democracia”

Manuel Carvalho, Bloco de Esquerda:
“A ação militar no 25 de Abril fez ruir um regime de ditadura e trouxe o fim da Guerra Colonial, a libertação dos presos políticos, os direitos democráticos das mulheres, entre outras conquistas que nos deram um novo país. Quarenta e quatro anos depois, continuamos a sentir o retrocesso das políticas neoliberais e conservadoras”

Valentina Sanchez, PSD:
“Abril traz-nos à memória a liberdade, democracia e progresso social. Para manter estas conquistas é necessário que os autarcas queiram colocar-se verdadeiramente ao lado das populações. Em Gondomar, não se aprendeu ainda o verdadeiro sentido da democracia e liberdade, pois não se escutam todos os órgãos autárquicos e partidos representados”

David Santos, Movimento Independente – Valentim Loureiro:
“Há datas que nos obrigam a ponderar. São datas que pelo que representam deveriam ter uma tradução prática e efetiva. Falar de Abril e da Revolução dos Cravos devia ser algo que nos obrigasse a uma paragem para pensar no que a data representa e no que continua e continuará a representar”

Olinda Moura, CDU:
“O PCP é um dos principais responsáveis pelo caminho traçado até ao 25 de Abril de 1974. Há 44 anos, mudou a história do nosso país. Nessa data, Portugal começou a respirar liberdade. Muito se construiu nos anos que se seguiram. Portugal começou a ser respeitado internacionalmente. Ao fim de 44 anos, o povo questiona as políticas que têm sido implementadas e que têm afundado este país”

Pedro Fontes, PS:
“Falar do 25 de Abril é enobrecer uma herança, mas para honrar o legado do 25 de Abril é necessário homenagear todos os que o tornaram possíveis. Isto significa uma profunda gratidão para todos os que não aceitaram a realidade que se vivia no nosso país”

, , , , , , ,