Grupo Columbófilo de Fânzeres comemorou 90.º aniversário

Grupo Columbófilo de Fânzeres - julho 2017

O Grupo Columbófilo de Fânzeres comemorou o 90.º aniversário / Foto: Direitos Reservados

O Grupo Columbófilo de Fânzeres comemorou, no dia 15 de julho, o 90.º aniversário da fundação da coletividade. A festa foi aberta à comunidade.

Noventa anos após a sua fundação, o Grupo Columbófilo de Fânzeres (GCF) festejou a passagem de mais um ano num momento aberto à comunidade envolvente.

Com casa cheia e repleta de alegria e boa disposição, a direção – encabeçada pelo presidente Dino Bessa – deu a conhecer o espírito de alta competição praticado na coletividade columbófila, bem como os momentos de confraternização e trocas de experiências entre os mais novos e os mais idosos.

A passagem dos 90 anos constituiu também uma oportunidade única para relembrar o esforço das aves que chegam a percorrer distâncias superiores a 700km, entre condições atmosféricas adversas, até regressarem aos seus pombais. A atual direção, que tomou posse em agosto do ano passado, criou um gabinete de apoio aos sócios e tem pautado o seu mandato com visitas às escolas da freguesia, tendo o objetivo de divulgar a importância da columbofilia.

“Desde que iniciamos este novo mandato temos disponível uma colaboração veterinária para analisar a saúde dos pombos correio. Deste modo, queremos manter colónias de pombos em perfeita saúde”, esclarece Dino Bessa, presidente do GCF.

A coletividade fanzerense tem estado atento às exigências da atualidade e procura dar resposta aos sócios através de uma atualização permanente das atividades na página oficial do Facebook. A par disso, está também a decorrer um leilão solidário que reverterá na totalidade a favor das vítimas de Pedrógão Grande.

“O bom desempenho e a vontade de ajudar e pensar no bem-estar em prol de outros sem nada pedir em troca é o que está a marcar a diferença nesta casa. É preciso fazer muito mais e demonstrar a todos que ser-se columbófilo é das melhores coisas do mundo”, afirma o responsável pela direção da coletividade.

Ao Vivacidade, Dino Bessa lamenta, contudo, a falta de um apoio mais regular da Câmara Municipal de Gondomar. “Julgo que por parte da autarquia devíamos ter mais ajuda e não sermos todos tratados de igual forma”, conclui o dirigente associativo.

, , , ,