Ivo Galeiras e Joana Santos: “Não foi fácil, pensámos desistir, mas para a frente era o caminho”

previous arrow
next arrow
Slider

Ivo Galeiras e Joana Santos são um jovem casal de Gondomar que emigraram para França em busca de uma vida melhor. Nesta edição do VivaCidade, ambos deixam o seu testemunho do percurso percorrido desde o primeiro dia. Atualmente, Joana é Assistente de Dentista e Ivo é responsável por uma equipa (Team Leader).

O que é que vos levou a ir trabalhar para fora de Portugal? E que idade tinham quando tomaram essa decisão?

Melhor qualidade de vida, salários mais apelativos e progressão de carreira. Na altura tínhamos 29 e 30 anos e tomámos a decisão muito tarde.

Como é que surgiu a oportunidade de trabalhar em França? Tiveram sempre em mente a França?

A oportunidade surgiu através de um casal amigo, viemos passar uns dias de férias com a intenção de conhecer a região e confirmar algumas ofertas de trabalho. A intenção era sobretudo sair de Portugal, França surgiu mais rapidamente por termos amigos e poderíamos aventurar-nos numa mudança de vida com algum apoio à nossa volta.

O que é que vos passou pela cabeça quando chegaram pela primeira vez a França? Foi um trajeto difícil?

Foi uma aventura que não começou como desejaríamos, o carro avariou no fim de semana da partida, voltou a avariar no trajeto, mais o sentimento do «adeus» associado (mesmo sendo um «até já»). Não foi fácil, pensámos desistir, mas para a frente era o caminho e os amigos ajudaram muito mesmo nesta fase. Até porque foram eles que nos acolheram em sua casa numa fase inicial.

Sempre estiveram ligados às áreas de trabalho que vocês desempenham hoje em dia?

Quando chegámos não foi possível mantermos as mesmas áreas. Só após 1 ano, sensivelmente, eu voltei a assistente dentária e o Ivo conseguiu entrar numa empresa de logística alimentar e está neste momento como Responsável de equipa (Team Leader).

Quais foram as principais diferenças culturais que encontraram em comparação com Portugal?

No geral, as pessoas são mais fechadas, nacionalistas, mas são mais relaxadas em relação à vida, mais dedicados à cultura. A meu ver fazem mais atividades ao ar livre e em família, penso que em grande parte devido ao comércio estar fechado ao domingo e ter horários mais reduzidos. Mas estamos numa localidade pequena, é provável que nas grandes cidades seja um pouco diferente.

Quais são as vantagens de viver em França?

Aprendemos uma nova cultura e novos hábitos, nova língua e permitiu-nos uma estabilidade financeira. É uma boa região para criar família.

Foram bem recebidos em Montauban? A comunidade Portuguesa é vasta nesta localidade?

Fomos bem recebidos em Montauban, pelos amigos dos nossos amigos, nos locais onde trabalhámos. Talvez nos serviços públicos não fomos tão bem acompanhados.

O que é que sentem mais falta?

Sem dúvida a família, os convívios com os nossos, os amigos, a vida social, a gastronomia (embora em França se coma muito bem, não é a mesma coisa).

Pensam um dia voltar para Portugal? Qual é a vossa perspetiva para o vosso futuro?

Neste momento não está nos planos voltar, mas não dizemos nunca. Conseguimos alcançar em 4 anos o que não foi possível em 10 anos de trabalho em Portugal. A perspetiva de futuro é continuar a progressão na nossa área.

Apesar da distância, continuam atentos com o que está a acontecer em Portugal?

Sim, acompanhamos as notícias. Temos canais portugueses para podermos acompanhar de longe o que por aí acontece.

E no nosso concelho em particular?

No que diz respeito ao concelho de Gondomar, temos a nossa família para nos ir pondo a par das mudanças.

Qual é o conselho que gostariam de deixar ao Portugueses que pretendem emigrar do país?

Apostem no domínio da língua, é importante para tratar tudo, sobretudo quem não tem o apoio de amigos ou família. Para quem queira manter-se na área profissional, pesquisem as hipóteses na região em vista, pesquisem as formações e documentos necessários. E têm sempre o consulado onde podem tentar pedir informações. De qualquer forma não hesitem, vale sempre a pena, nem que seja pela experiência. ▪

, , ,