José António Macedo: “As pessoas pedem-me para ser candidato (à Câmara de Gondomar) mas eu não me antecipo a nenhuma decisão do meu partido”

José António Macedo, presidente da União de Freguesias de Gondomar (S. Cosme), Valbom e Jovim/ Foto: Pedro Santos Ferreira

José António Macedo, presidente da União de Freguesias de Gondomar (S. Cosme), Valbom e Jovim/ Foto: Pedro Santos Ferreira

Em entrevista ao Vivacidade, José António Macedo, presidente da União de Freguesias de Gondomar (S. Cosme), Valbom e Jovim, confirma a disponibilidade para ser candidato à Câmara Municipal de Gondomar caso o Partido Social Democrata avance com o convite. autarca admite ainda que gostaria de estar mais envolvido na organização das Festas do Concelho e faz um balanço positivo do mandato atual.

O que representam para si as Festas do Concelho?

Como presidente da União de Freguesias de Gondomar (São Cosme), Valbom e Jovim sempre tive o prazer de ter as Festas do Concelho muito animadas. Estas Festas são a última romaria do ano e são ricas quer em afluência de romeiros quer nas iniciativas que se realizam. Julgo que as Festas do Concelho não podem esmorecer, sem desprimor para as outras festas de Gondomar.

Está disponível para fazer parte da Comissão de Festas das Festas do Concelho?

Em tempos a Junta de Freguesia de Gondomar (S. Cosme) era parceira na Comissão de Festas e atualmente isso não se verifica. Nunca percebi muito bem porque é que não estamos a dar o nosso contributo que sempre foi bem visto pela população, principalmente na logística das Festas. A Comissão não entende dessa maneira.

O apoio da União de Freguesias mantém-se, apesar de não estar inserida na Comissão de Festas?

Sim, continuamos a prestar apoio logístico e os nossos funcionários estão sempre disponíveis para ajudar. A Câmara solicita-nos esse apoio e nós estamos sempre disponíveis, mas se nos solicitam apoio e nós não estamos a par do que está a acontecer não nos podem pedir responsabilidades caso alguma coisa corra mal.

No entanto, a União de Freguesias já não integra a Comissão de Festas desde o mandato do Major Valentim Loureiro. Porquê?

É verdade que nos últimos dois anos do mandato do Major Valentim Loureiro a União de Freguesias não participou na Comissão de Festas. Na altura também não encontrei explicação para essa decisão. Apesar de tudo havia uma reunião da Comissão de Festas com a Junta de Freguesia. Não nos lamentamos mas temos pena que as coisas não corram tão bem, nomeadamente na entrega de livre trânsitos.

Está hoje mais adaptado à gestão autárquica da agregação das freguesias de Gondomar (S. Cosme), Valbom e Jovim?

O primeiro ano e meio foi para arrumar as três Juntas de Freguesia. Todas as freguesias têm os mesmos serviços que tinham e até alguns que não tinham até aqui. Valbom e Jovim estavam mais carenciados e por isso procuramos olhar mais para essas freguesias. Ao mesmo tempo criámos uma organização em rede para que os funcionários da UF trabalhassem em conjunto. Há organização, condições de trabalho e uma boa integração de todas as equipas.

Já sentiu benefícios dessa gestão articulada?

Temos feito uma poupança significativa em despesas de transportes. A frota que temos tem mais de 20 anos e necessitou de muitas reparações que representaram uma despesa significativa. A Câmara de Gondomar tem ajudado e temos já novos meios ao nosso dispor que vêm ajudar-nos diariamente. Temos um território enorme que é mais do que o dobro de Rio Tinto e por isso requer uma atenção maior.

O orçamento da União de Freguesias é suficiente para as solicitações que tem?

Julgo que não. As pessoas desta União de Freguesias que têm problemas por resolver dirigem-se a nós em primeiro lugar e as soluções para os problemas têm sempre custos. Temos que estar preparados para tudo e isso sai caro. Devíamos ter mais autonomia financeira da parte do Governo ou da Câmara de Gondomar.

As receitas da União de Freguesias não ajudam a suportar esses encargos financeiros?

São receitas que nunca são certas. A gestão dos cemitérios, por exemplo, não é uma solução sustentável.

A delegação de competências foi positiva para a União de Freguesias? Os recursos têm acompanhado as necessidades?

Temos alguns veículos com problemas e talvez haja a necessidade de repensar a frota. Nesse sentido a frota que temos não responde inteiramente às necessidades. Contudo, não podemos avançar para isso se não tivermos verbas para pagar mensalmente. Isto é válido para todas as Juntas de Freguesia e Uniões de Freguesia. O ideal seria que as verbas acompanhassem as delegações de competência. Hoje recebemos menos do que recebíamos antes da agregação de freguesias.

Está a considerar uma candidatura à Câmara Municipal de Gondomar?

Desde que fui eleito, em 2013, nem sequer pensei numa candidatura, nem à Câmara nem à União de Freguesias. Estou sempre disponível para dar o meu contributo porque tenho experiência autárquica. As pessoas pedem-me para ser candidato mas eu não me antecipo a nenhuma decisão do meu partido.

, , , , ,