Luís Pedro Martins: “O Parque das Serras do Porto é um projeto de interesse turístico”

Luís Pedro Martins - janeiro 2019

Luís Pedro Martins é candidato à presidência da direção do Turismo do Porto e Norte de Portugal / Foto: Direitos Reservados

O Vivacidade esteve à conversa com o gondomarense Luís Pedro Martins. Nesta entrevista, o candidato à direção do Turismo do Porto e Norte de Portugal fala sobre as suas propostas para o concelho de Gondomar. 

Em Gondomar, a Rota da Filigrana é a grande aposta municipal ao nível do turismo, apresentando resultados em crescendo ano após ano. Do seu ponto de vista é uma aposta a ser mantida?
Claro que sim. Cada município deve valorizar aquilo que é parte integrante da sua memória coletiva. No caso de Gondomar, a ourivesaria, e em especial a Filigrana, têm raízes muito profundas na comunidade e moldaram grande parte daquilo que é atualmente o concelho. Por isso, creio que será muito importante manter esta aposta na Rota da Filigrana, promovendo-a fora dos limites do concelho e assumindo-a como uma mais-valia cultural e económica para Gondomar. O município tem feito um excelente trabalho e a Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) cá estará para apoiar no âmbito das suas competências.

Neste concelho, o que pode ainda ser feito para potenciar o setor do turismo, sendo que tem uma frente de rio muito grande?
Voltamos à questão do Douro e das múltiplas possibilidades que se abrem a partir do rio. Gondomar tem de facto uma vasta frente de rio, cheia de potencialidades que queremos desenvolver em conjunto com a autarquia. Temos as praias fluviais, as rotas do sável e da lampreia, enfim, um vasto conjunto de propostas que podem ser, ainda mais, um cartão de visita para Gondomar. Não esquecendo o mercado dos eventos profissionais que podemos trabalhar a partir do Multiusos de Gondomar, que para lá da relevância enquanto espaço de acolhimento do segmento Meeting Industry é também uma obra de Siza Vieira de grande interesse arquitetónico. A autarquia está ciente destas oportunidades e, com toda a certeza, iremos encontrar formas de colaboração que irão beneficiar todas as partes.

O Parque das Serras do Porto é um projeto que envolve três autarquias do Norte (Gondomar, Paredes e Valongo). A diferenciação deste projeto face à restante oferta turística da região é uma mais valia?
Obviamente que sim. O Parque das Serras do Porto é um projeto de interesse turístico que não só contribui para a conservação e valorização do território serrano e vales ribeirinhos mais próximo do grande núcleo recetor de turismo – a cidade do Porto, como contribui para a divulgação, sensibilização e promoção do usufruto sustentável da paisagem. Sabemos que podemos trabalhar com a Associação  de Municípios  Parque das Serras do Porto no sentido de organizar uma oferta segmentada de turismo a partir das atuais motivações do turista de natureza do Porto e Norte e Portugal e paralelamente trabalhar no sentido de cruzar esta oferta de natureza com outros produtos de aposta do nosso destino como é exemplo o turismo cultural, atendendo a que do projeto fazem ainda parte iniciativas de valorização do património cultural material e imaterial. A diversificação da oferta turística é fundamental para atrair melhor turismo para a nossa Região, ampliando o leque de propostas e apostando em alguns nichos de mercado.

À semelhança do que já fizemos para o Douro, se lhe pedisse duas ou três medidas fulcrais para ajudar o turismo em Gondomar, o que me diria?
Fulcral para o turismo em Gondomar é a estratégia global que a TPNP vier a implementar. Terá que ser algo a sair de um amplo consenso entre todas as entidades participantes, tendo em conta, claro está, a especificidade própria de cada município.

*Para ler a versão final desta entrevista consulte a edição de janeiro do jornal VivaDouro

, , ,