Metro até São Cosme será uma certeza

>DR
> Futura Linha do Souto

Um dos projetos mais esperados pelos Gondomarenses está aprovado- A linha do Souto. No total contaremos com um percurso de 6,7 quilómetros, nove estações e um investimento que rondará os 140 milhões de euros.

O Presidente da Câmara Municipal de Gondomar declara que, “hoje, podemos dizer com toda a certeza que teremos metro até S. Cosme” e contextualiza que, inicialmente, em 2008, o Município tinha previsto acolher dois projetos, um via Rio Tinto- Baguim do Monte- Fânzeres e, outro Campanhã-Freixo-Valbom-Feira de Gondomar. “Na altura, em 2010, foi decidido que ficava só até Fânzeres a linha que seria para continuar até Gondomar, entretanto sempre defendi que a prioridade deveria ser realizar a ligação direta da rede existente até ao Souto e a Valbom”, refere o autarca constatando que desde então nunca desistiu do projeto e sempre o acompanhou junto da Metro do Porto.

Mais tarde, em 2016, o edil de Gondomar revelou que o governo comprometeu-se em realizar um conjunto de estudos para decidir que linhas deveriam avançar e, “foi aí que percebemos que a linha do Freixo não tinha pernas para andar” porque não cumpria os critérios exigidos de procura.

Para Marco Martins, o assunto não poderia ficar por aqui e era urgente para o Autarca criar uma solução, uma alternativa para realizar este projeto, para realizar este novo traçado e, teve a ideia de um percurso alternativo que irá passar por baixo da A43 e irá passar pelo vale de rio tinto num viaduto.

“Na altura elaboramos logo um pré projeto de uma possível ligação a uma zona mais a norte para ligar em vez de ser à feira, realizar esta ligação pelo Souto e fomos desenvolvendo esse trabalho com a Câmara do Porto afinando com o seu presidente que sempre foi inexcedível nesta matéria comigo. Em 2019, estabilizamos o traçado e em janeiro de 2020 começaram a ser feitos os estudos”. O autarca explica que, em fevereiro de 2020 deu-se à assinatura protocolar da Metodologia dos Estudos entre a Área Metropolitana do Porto e o Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, na Câmara Municipal de Gondomar.

Em outubro deste ano os estudos estavam concluídos e, em novembro o Ministro do Ambiente validou e tornou público as linhas que iriam ser executadas, sendo que Gondomar encontrava-se na lista. Para Marco Martins “agora, Gondomar encontra-se nas prioridades para avançar” e já marca presença no Programa Nacional de Investimentos (PNI).

 

Para o autarca este novo traçado tem uma vantagem fundamental que passa pela realização da ligação direta com a rede, com esta linha a zona Oriental do Porto ficará mais próxima aos centros de Valbom e de Gondomar. A empreitada que terá um custo de 140 milhões de euros apresenta um percurso com nove estações e, na sua totalidade irá ter aproximadamente 41 mil validações diárias sendo que, em princípio, irão usufruir deste investimento aproximadamente 80 mil gondomarenses “que são quem mora em São Cosme, em Valbom, os que habitam na parte mais a sul de Fânzeres e todo o alto concelho”. O Autarca explica ainda que este projeto fará com que o Souto “se torne numa grande interface com o transporte rodoviário proveniente do Alto Concelho”.

 

O Presidente adianta ainda que as regras de contratualização pública o impedem de revelar uma data precisa do arranque da obra, mas o cenário mais favorável na sua perspetiva é que no início de 2021 o concurso seja lançado para o projeto de execução e, só em 2022 é que essa parte fique concluída. Posteriormente, em 2023, será lançado, novamente o concurso para a realização da empreitada e, só depois, no final do ano de 2024 é que o Município terá uma nova linha de Metro, “o certo é que conseguimos, Gondomar terá esta linha”.

O custo da obra para o Município até ao momento quanto a projetos tem sido aproximadamente 60 a 70 mil euros. Para Marco Martins, não restam dúvidas de que o dia em que presenciar a inauguração da empreitada será, enquanto autarca, o dia mais feliz da sua vida. ▪

, , , , , , , , ,