Município quer tornar Gondomar Gold Park numa referência da ourivesaria

Carlos Brás, vereador do Desenvolvimento Económico da Câmara Municipal de Gondomar / Foto: Pedro Santos Ferreira

Carlos Brás, vereador do Desenvolvimento Económico da Câmara Municipal de Gondomar / Foto: Pedro Santos Ferreira

A Câmara Municipal de Gondomar espera tornar o Gondomar Gold Park (Parque Tecnológico de Gondomar) uma referência no setor da ourivesaria. Ao Vivacidade, Carlos Brás, vereador do Desenvolvimento Económico e Empreendedorismo da Câmara de Gondomar, admite que espera tornar o equipamento “num pólo de atração para ourives e turistas”.

A primeira fase do Gondomar Gold Park (GGP) está prestes a terminar. Findo o prazo da discussão pública do regulamento do Parque Tecnológico de Gondomar, a 4 de novembro, o equipamento poderá começar a receber os empresários ligados ao setor da ourivesaria interessados em ocupar os espaços disponíveis no edifício.

Carlos Brás, vereador da Câmara de Gondomar, admite, em entrevista ao Vivacidade, que espera tornar o GGP uma referência no setor da ourivesaria.

“O Município espera que este equipamento seja um centro de referência e um pólo de atração para visitantes, para ourives e turistas”, começa por dizer o vereador.

Para atingir este objetivo o autarca admite ter sido necessário um processo de sensibilização “lento e gradual” para aproximar os empresários gondomarenses do equipamento. “Os empresários não conheciam este equipamento e não faziam ideia do que estava a ser feito aqui porque o projeto não era público nem era falado. Este executivo começou por criar grupos de visita com todos os ourives do Município de forma a visitar o equipamento. Essa estratégia acabou por mudar a opinião de alguns empresários”, afirma Carlos Brás.

No processo a autarquia contou também com os “importantes apoios” da CINDOR, da Associação Comercial e Industrial de Gondomar (ACIG), do Centro de Emprego de Gondomar e da contrastaria, entidades que ajudaram a divulgar o GGP como “um espaço à disposição de jovens empresários e formandos ligados ao setor”.

Contudo, o autarca gondomarense não esquece as “falhas estruturantes da primeira fase do projeto” que herdou do executivo municipal anterior e lamenta “a necessidade de adaptação do projeto” às condições verificadas no equipamento. “Devia ter sido pensada uma zona para criação de empresas dos ourives que já estão no mercado. Essa zona estava prevista para a frente do edifício, no entanto existe uma linha de água que impede essa expansão”, queixa-se Carlos Brás. Ainda assim, o vereador sublinha o esforço do Município para “revitalizar a indústria da ourivesaria ao dispor o espaço à utilização dos ourives”.

Após o período de discussão pública do regulamento do GGP, Carlos Brás espera abrir a concurso os espaços disponíveis no equipamento. “No total temos seis oficinas, três salas de formação e seis lojas abertas a concurso. Além disso, queremos rentabilizar o hall de entrada com a organização de algumas iniciativas dinamizadas pelos empresários”, refere.

Apesar do equipamento não permitir receber e alojar empresas de outros setores, o vereador da Câmara de Gondomar não fecha a porta a empresas de outros ramos de atividade, nomeadamente “nos serviços de consultoria e espaços de divulgação temporária”, que vão estar disponíveis para todos os ramos de atividade empresarial.

Já há empresários interessados na incubação

Segundo o vereador do Desenvolvimento Económico e Empreendedorismo, o GGP já conta com “projetos empresariais em lista de espera” dispostos a ocupar os espaços disponíveis para as empresas. “Tem surgido interesse e procura de empresários ligados à ourivesaria e há também a possibilidade de instalarmos aqui um grande projeto nacional ligado ao setor”, revelou o autarca.

Polícia Municipal instalada no equipamento

A segurança do espaço “com perímetro fechado a partir das 19h” está a cargo da Polícia Municipal de Gondomar, instalada no Gondomar Gold Park. “O alojamento da Polícia Municipal neste espaço foi importante para conferir confiança na segurança do edifício aos empresários que nos procuram e já permitiu captar investidores que querem apostar na divulgação dos seus produtos”, esclarece Carlos Brás.

Gondomar Gold Park na Rota da Filigrana

Recorde-se que o Gondomar Gold Park está inserido na “Rota da Filigrana”, um roteiro turístico com 360 pontos de interesse no território gondomarense. “Quando a Rota da Filigrana começar a ser percorrida este equipamento vai ser uma montra para dar a conhecer os produtos dos nossos empresários”, conclui o vereador.

, , , ,