“O Lidl não arrenda a antiga loja à concorrência e isso vai levar-nos à falência”

souto center

Foto: Luís Alves

A galeria Souto Center, no centro de Gondomar, vive um período difícil há mais de um ano, altura em que o supermercado da cadeia alemã se mudou. Os poucos comerciantes que ainda sobrevivem apontam o dedo à empresa de retalho, que ainda não vendeu ou arrendou a antiga loja.

O ‘coração’ do Souto Center é a loja de 1435 m2, a maior da galeria e aquela que faz mover o comércio vizinho. O Lidl instalou-se nesse espaço e a ele atraiu clientes e muito movimento.
Era assim até há um ano. Entretanto, o Lidl transferiu as suas instalações para outra localização, a cerca de 400 metros, junto à autoestrada 43, e a loja-âncora – como lhe chamam os comerciantes – ficou vazia.

“Era a loja que angariava todos os clientes”

comerciante

Américo Barros, comerciante. “Nos negócios não há moral. Ainda menos quando falamos numa cadeia internacional. O Lidl pode fazer o que está a fazer. Se é moralmente correcto ou não, não interessa”.

A porta principal do Souto Center, do lado do anfiteatro do Souto, continua aberta mas quem entra terá dificuldades em perceber se isso significa que a galeria também o está. Das dezenas de lojas disponíveis, rareiam aquelas que continuam a operar, especialmente as que estão no interior, sem frente para a rua.
No dia em que o Vivacidade fez a reportagem, Américo Barros, comerciante de equipamentos electrónicos, há cinco anos naquele espaço, estava a preparar o fecho da sua loja. Enquanto faz os últimos arranjos, lamenta não apenas a situação. “Repare”, diz-nos num tom pesaroso, “o Lidl era a loja que angariava todos os clientes. Assim, sem soluções, sinto-me obrigado a fechar. Não tenho clientes”, lamenta, apesar da boa localização da sua loja.

Eventos para clientes que não chegam

cafe

Alexandra Oliveira, comerciante. “O Lidl não quer arrendar à concorrência. Acho essa atitude profundamente injusta. Eles são uma grande cadeia, nós somos pequenos comerciantes”.

Alexandra Oliveira trabalha há dois anos num café, a meio do corredor central da galeria. Indigna-se quando pensa que os preços que pratica são “abaixo da concorrência mas que mesmo assim não tem clientes”. “Não sabemos mais o que fazer. Tentamos de tudo. Fazemos eventos regulares, como o do dia 14 de Fevereiro, e outros que virão, mas não têm o retorno esperado”, lamenta.
Enquanto vai atendendo os poucos clientes que aparecem, Alexandra fala das soluções possíves. “Sabemos de pelo menos três potenciais interessados. Vieram ter comigo, falei com alguns deles e encaminhei-os. Depois disso, nada soubemos. Deixaram de estar interessados, talvez pelo preço da renda e do valor do condomínio”, presume.

, , ,
Um comentário em ““O Lidl não arrenda a antiga loja à concorrência e isso vai levar-nos à falência”
  1. Um dos interessados era a loja do Mini-Preço(Dia) que passaria para aqui. O que seria muito dinamizador.
    O outro interessado que se falou eram os CTTs alugarem a loja e fazerem de central de entregas e atendimento em Gondomar.

Comments are closed.