Ourindústria: certame encerrou portas virado para a internacionalização

Ourindústria 2018 - março 2018

Marco Martins inaugurou o certame que teve lugar no Multiusos de Gondomar / Foto: Pedro Santos Ferreira

De 15 a 18 de março, o Pavilhão Multiusos de Gondomar acolheu a 20ª edição da Ourindústria, certame dedicado à ourivesaria, relojoaria e atividades conexas. Para 2019 já há datas, a feira vai realizar-se entre 21 e 24 de março. 

Terminou a Ourindústria 2018, mas já se pensa na próxima edição da mais importante feira do país no setor dos metais preciosos. Este ano marcaram presença no evento mais de 70 expositores.

Estiveram representados os setores da ourivesaria, relojoaria, máquinas industriais, metrologia calibrada, mobiliário de ourivesaria, informática, designers, estojoaria e seguros, além da presença de vários parceiros institucionais da Câmara Municipal de Gondomar, como a Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal (AORP) e o Centro de Formação Profissional da Indústria de Ourivesaria (CINDOR).

Na inauguração, marcaram presença as principais entidades do concelho e os representantes ligados aos setores em exposição. Marco Martins, presidente da Câmara Municipal de Gondomar, fez a tradicional ronda inaugural após ter reforçado o orgulho nos empresários e nas novas gerações de ourives e designers. O edil gondomarense enalteceu ainda o “elevado número de participantes.

Antes, Ana Freitas, presidente da Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal, destacou alguns projetos de sucesso, como a Rota da Filigrana, “que primam pela diferenciação da ourivesaria portuguesa no Mundo”. O segundo dia do evento foi inteiramente dedicado aos profissionais.

No dia 17 de março, foi promovido um debate sobre o luxo e o posicionamento da filigrana nesse segmento. O vereador do Desenvolvimento Económico do Município de Gondomar abriu a “Gondomar Golden Conferences” e convidou António Paraíso e David Tavares para o debate e reflexão.

“Paradoxo e conjugação de elementos tangíveis e sedução”, são estes os ingredientes-chave para o mercado de luxo, segundo António Paraíso. Não chega fazer com qualidade, pois o cliente deste segmento não compra só produto, compra uma experiência, um estilo de vida.

Por sua vez, David Tavares lançou algumas pistas teóricas, sobre como a filigrana se pode posicionar neste mercado. Internacionalização e criação de valor acrescentado são algumas das sugestões deixadas aos visitantes e expositores que assistiram à conferência.

À noite, o certame abriu ao público às 21h30 para mais uma edição do Desfile de Jóias, num formato diferenciado das edições anteriores, em que as peças de ourivesaria tiveram grande protagonismo.

O 3.º dia do evento ficou igualmente marcado pela entrega do Troféu Originalidade/Inovação ao expositor Adriano Ferraz Joalheiros. Já a escolha para o Troféu Criatividade recaiu sobre a peça criada pela empresa J. Monteiro e Filhos, Lda. O painel do júri foi composto por Sofia Carvalho, Maria João Costa, Anthony Richard, Zulmiro de Carvalho e Bruno Nunes.

Como manda a tradição, no dia 18 de março, as portas abriram-se ao público e todos tiveram a hipótese de visitar o certame, que passa a orientar-se pelo lema: “Tu pensas, nós fazemos” (You think, we do).

A Ourindústria já tem data marcada para 2019 e vai decorrer entre os dias 21 e 24 de março.

Parceiros satisfeitos com a adesão ao evento
Em entrevista ao nosso jornal, Eunice Neves, diretora do CINDOR, faz notar um “redirecionamento da feira” para o exterior e uma aposta do Município “na internacionalização do evento”.

“Esse é o caminho a seguir, numa altura crucial em que o setor se reinventa. Acrescenta-se a isso a nossa capacidade única de produzir para outras marcas. Por isso, queremos posicionar-nos para captar essa oportunidade no contexto internacional”, afirma a responsável pelo único centro de formação de ourivesaria do país.

Também Fátima Santos, secretária-geral da AORP, vê na Ourindústria uma nota positiva, “apesar da ausência de potenciais compradores”, que, faz notar, “tem sido um problema transversal a todas as feiras que tentam reinventar os seus modelos”.

Contudo, a representante da AORP lembra que o evento é “muito querido” e destaca os produtores “e a sua importância para o setor”.

Município anunciou Prémio Nacional de Ourivesaria Elói Viana
A cooperação entre a Câmara Municipal de Gondomar, a Imprensa Nacional – Casa da Moeda e a Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE) deu origem à criação do Prémio Nacional de Ourivesaria Elói Viana. O galardão foi anunciado durante o Desfile de Jóias, no dia 17, na presença do homem que lhe dá nome.

“O esforço do Município e dos parceiros envolvidos é apostar no futuro sem olvidar a memória, daí aproveitar a ocasião para homenagear quem dedicou toda uma vida a este setor, Elói Viana”, disse Carlos Brás.

A cerimónia contou ainda com as presenças de Paula Melo, diretora da ANJE, e Bárbara Vasconcelos, diretora das Contrastarias Nacionais. Ambas salientaram a importância do protocolo estabelecido com o Município de Gondomar “com vista a enquadrar a cooperação em tarefas específicas de interesse comum entre as partes, por forma a preconizar a promoção e a execução do prémio”, pode ler-se na página da internet da Câmara de Gondomar.

O Prémio Nacional de Ourivesaria Elói Viana foi criado com o intuito de recompensar projetos inovadores com viabilidade económica e financeira, e que se demonstrem potenciadores de criação de empresas e de emprego qualificado, enquanto impulsionadores do desenvolvimento local, regional e nacional.

Secretária de Estado da Indústria visitou a feira
No dia 17 de março, Ana Teresa Lehmann, secretária de Estado da Indústria, visitou o certame, acompanhada por Carlos Brás, vereador do Desenvolvimento Económico.

A representante do Governo de Portugal teve a oportunidade de visitar os expositores presentes na Ourindústria, numa iniciativa de proximidade ao setor da ourivesaria.

, , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *