“Pode não ser fácil, mas viver fora abre portas para uma mente mais aberta e rica, é uma experiência que boa ou má é extremamente importante”

Natural de Rio Tinto, Pedro Teles embarcou para Bruxelas à procura de um futuro melhor e mais promissor. O VivaCidade este à conversa com o Gondomarense que nos revelou vários detalhes da sua trajetória.

Como é que surgiu a ideia de emigrares para a Bélgica? E porquê Bruxelas? Conta-nos um pouco sobre o teu percurso, foi fácil?

A ideia surgiu durante a faculdade quando perdi a oportunidade de participar no programa de Erasmus. A Bélgica e Bruxelas nunca fizeram parte dos meus planos até surgir a oportunidade para tal. Tudo começou com uma organização não governamental chamada ESN (Erasmus Student Network) onde fiz voluntariado. Apesar de esta organização estar presente em quase todos os países europeus incluindo Portugal, foi com a ESN Bélgica, mais concretamente na cidade de Louvain-la-Neuve onde tinha amigos, que fiz voluntariado remotamente (suporte técnico de IT). Mais tarde, esta mesma associação, mas a nível internacional, lançou uma oferta de emprego para programador IT na sua sede em Bruxelas. Candidatei-me, obtive a posição e mudei-me.

Qual foi a primeira coisa em que pensaste quando saíste do avião?

Além de achar que ia apanhar um frio desgraçado, pensei “Estou totalmente por minha conta”. Um pouco a mesma sensação de quando se faz sozinho uma viagem de longa distância. Ainda demorou algumas semanas para sentir a 100% que já não estava a viver em Portugal.

O estilo de vida é diferente? Quais foram as principais diferenças que notaste?

Apesar de não ser muito diferente, o estilo de vida em Bruxelas é mais “stressante” que em Portugal. Em grande parte isto deve-se à cultura dos belgas e ao facto de Bruxelas também adoptar muitos emigrantes de todo o mundo, especialmente da Europa, à custa de instituições europeias e outras internacionais.

A adaptação foi difícil?

Graças à associação na qual trabalhava e dos contactos que já tinha lá, a minha adaptação não foi problemática. Mas sem dúvida que senti bastante falta de Portugal e da rotina que tinha antes de me mudar, para não falar do bom tempo, nos primeiros 2 meses.

Em algum momento arrependeste-te da decisão tomada?

Nunca.

Conseguiste logo trabalho na tua área de formação? Em que é que consiste o teu trabalho?

Sim, ainda antes de me mudar já tinha um contrato assinado. Trabalho como programador Full-Stack Web e Mobile, que felizmente tem bastante oferta em quase todo o lado.

Como é que o país está a ultrapassar esta fase do COVID-19?

De uma forma bastante semelhante a Portugal. Não só a nível de restrições, mas mesmo como as pessoas as respeitam e as desrespeitam.

Como programador informático, sentiste que a pandemia afetou o teu trabalho?

Sim, além de ter de trabalhar em casa em vez do escritório, também senti que houve uma menor carga de trabalho para ser feito.

Pretendes um dia voltar para Portugal?

Por enquanto a minha ideia de voltar a Portugal seria quando me reformasse ou quando o país tivesse condições que me fizessem querer voltar.

O que sentes mais falta em Portugal?

Família, amigos, comida e bom tempo.

Mesmo noutro ponto do mapa, gostas de estar a par das notícias em Gondomar?

Ao contrário de vários amigos portugueses também em Bruxelas que gostam de estar a par de tudo o que se vai passando em Portugal, eu prefiro manter-me a par de notícias de todo o mundo e não especificamente de Gondomar ou Portugal.

Agora que tens a experiência de viver num outro país, que exemplos consideras que Portugal e, em especial Gondomar, deveria de adotar?

Existe muita coisa que Portugal e Gondomar poderiam aprender com a Bélgica, e vice-versa. É difícil mencioná-los todos aqui, mas não existe um exemplo específico que fosse mudar a vida dos portugueses radicalmente, é um conjunto de várias coisas.

Que conselho deixas a quem, como tu, um dia pretende seguir o mesmo caminho à procura de uma vida melhor ou de uma simples aventura?

Coragem e nunca desistam dessa ideia! Pode não ser fácil, mas viver fora abre portas para uma mente mais aberta e rica, é uma experiência que boa ou má é extremamente importante e nos ajuda a crescer de uma maneira que nunca conseguiríamos dentro do mesmo país a vida toda. Quando finalmente estiveres lá, procura fazer amigos que tal como tu se estejam a aventurar (seja por que motivos for), e aprende a cultura do país/ cidade para onde vais para te ajudar a adaptar. Se não souberes a língua do país, frequenta aulas lá, vais encontrar outras pessoas que provavelmente estão na mesma posição que tu, além de que a qualidade de ensino costuma ser melhor. Mantém o teu contacto com Portugal para aqueles momentos onde a saudade aperta ou te sentes mais sozinho(a). ▪

 

 

, , , , ,