“Pulmão Verde” recebeu aprovação unânime do Conselho Metropolitano

A reunião realizou-se em Valongo, no Museu e Arquivo Municipal

A reunião realizou-se em Valongo, no Museu e Arquivo Municipal

O projeto “Pulmão Verde” foi apresentado e aprovado a 10 de abril na última reunião do Conselho Metropolitano do Porto, no Museu e Arquivo Municipal, em Valongo.

A apresentação do projeto “Pulmão Verde”, que vai unir o território das Serras de Santa Justa, Pias e Castiçais, foi um dos pontos da ordem de trabalhos da última reunião do Conselho Metropolitano do Porto.

Os presidentes dos Municípios de Valongo, José Manuel Ribeiro, de Gondomar, Marco Martins, e de Paredes, Celso Ferreira, formalizaram a 9 de abril de 2014 o grupo de trabalho intermunicipal responsável pelo projeto e assistiram à explicação detalhada da professora Teresa Andresen, que tem vindo a liderar os trabalhos no terreno.

“Este já o segredo mais guardado do Porto. Durante estes seis meses com a colaboração dos técnicos dos três Municípios detetamos vários fatores de geodiversidade e biodiversidade que poderão proporcionar a criação de uma paisagem protegida e muitas formas de recreio apelativas”, começou por dizer a líder do projeto.

Em causa está uma ideia com “interesse para toda a Área Metropolitana do Porto” que, segundo Teresa Andresen, remonta a 1952, no “Plano Regulador da Cidade do Porto” de Antão de Almeida Garret.

Teresa Andresen destacou a possibilidade de “fazer uma viagem no tempo” ao percorrer as serras com cerca de 300 milhões de anos da história geológica da Terra, banhadas pelos rios Sousa e Ferreira, numa extensão onde ficou registada a existência de trilobites.

Os autarcas dos três Municípios querem ver implementada uma intervenção que valorize a paisagem protegida através de um programa de promoção de atividades económicas orientadas para o recreio, o turismo, os produtos locais e a conservação patrimonial.

Na proposta apresentada na reunião do Conselho Metropolitano do Porto estão previstas quatro entradas no parque, com as requalificações dos eixos de Centro de Interpretação Ambiental/Santa Justa, Senhora do Alto/Alvre, Foz do Sousa/Foz do Ferreira e São Pedro da Cova, incluindo a área mineira, a zona desportiva e a zona agrícola.

“Nem tudo é perfeito. Durante os últimos anos, assistimos a uma eucaliptização profunda desta zona, à construção de novas autoestradas e o problema da remoção dos resíduos perigosos de São Pedro da Cova, que todos conhecem”, alertou Teresa Andresen durante a apresentação.

O projeto “Pulmão Verde” vai englobar ainda um estudo do complexo mineiro aurífero romano e a valorização das concessões mineiras do território abrangido.

Na reunião ficou aprovada a formação de uma equipa técnica para a implementação de um programa de ação.

, ,