Renata Gonçalves: “O ‘The Voice Portugal’ foi das melhores experiências da minha vida”

Renata Gonçalves integrou as equipas de Mickael Carreira e Marisa Liz / Foto: Pedro Santos Ferreira

Renata Gonçalves integrou as equipas de Mickael Carreira e Marisa Liz / Foto: Pedro Santos Ferreira

Renata Gonçalves, 16 anos, representou Gondomar no programa ‘The Voice Portugal’ da RTP 1. A gondomarense natural de Rio Tinto virou as quatro cadeiras do júri com a interpretação da música ‘Purple Rain’ e chegou até à fase final do programa na equipa de Marisa Liz. Renata foi eliminada na primeira gala em direto, mas ao Vivacidade garante que não vai desistir da música.

Começaste a tua carreira musical com 5 anos. Quando é que tiveste o primeiro contacto com a música?
Entrei num coro com a minha irmã e a partir daí comecei a gostar de cantar. Aos 12 anos comecei a frequentar cafés e bares em karaokes e cresci dessa forma. Hoje faço parte de uma empresa de eventos que também ajudou a desenvolver-me musicalmente.

Quais eram as tuas referências musicais?
Ouvia o que os meus pais ouviam. Sempre tive um estilo muito ligado ao pop/rock dos anos 80. Prefiro as músicas que têm um início, um meio e um fim, mas procuro ouvir um pouco de tudo.

Tiveste formação musical?
Sim, durante dois anos, mas acabei por sair porque não estava a gostar e nunca mais regressei. Um dia espero voltar a ter.

Os teus primeiros espetáculos foram em Gondomar?
Não [risos], eu fazia mais festas e romarias em Gaia. Mas já fiz três ou quatro eventos em Gondomar.

E durante esse percurso trabalhaste com o Herman José e o José Malhoa. Conta-nos essa história.
Num concurso de karaoke ganhei a possibilidade de gravar um single e foi o que aconteceu. O José Malhoa ouviu e gostou muito. Entrou em contacto comigo, chegou a levar-me a uma rádio e esse single começou a ser partilhado. Quando ele fazia espetáculos eu passei a fazer a abertura. Com o Herman também fazia a abertura do espetáculo.

Antes de participares no ‘The Voice Portugal’ passaste por outros concursos?
Fui ao pré-casting do ‘Fator X’ mas não passei dessa fase.

Como é que surgiu o interesse em participar no ‘The Voice Portugal’?
Foi uma amiga que me avisou que as inscrições estavam abertas e eu decidi arriscar. Quando me contactaram fiquei surpreendida e depois fui à prova cega.

Foi um risco, tal como a escolha do tema ‘Purple Rain’ na prova cega?
Não foi a minha primeira escolha [risos], mas quando nos pediram para cantar era a que eles queriam que eu cantasse.

Não correu mal porque viraste as quatro cadeiras. Como te sentiste nesse momento?
O primeiro a virar foi o Rui Reininho e a partir desse momento fiquei mais descansada.

,