Resíduos perigosos de S. Pedro da Cova quantificados “ainda este ano”

Remoção Resíduos Perigosos - outubro 2016

A União das Freguesias continua a lutar pela remoção total / Foto: Arquivo Vivacidade

A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) revelou, no dia 18 de outubro, que vai dar início “ainda este ano” ao processo para “apuramento exato” da quantidade de resíduos das antigas minas de São Pedro da Cova.

Em comunicado, a CCDR-N, entidade que entre outubro de 2014 e maio de 2015 liderou a primeira empreitada de remoção de resíduos, aponta que “dará início este ano ao processo de apuramento exato da quantidade de resíduos remanescentes nas antigas minas”, num processo que envolve a realização de sondagens no terreno.

Recorde-se que ao longo dos anos foi avançado que existiriam 88 mil toneladas de resíduos, mas o caderno de encargos do concurso público feito com vista à remoção alude a 105.600 toneladas. Contudo, a 21 de abril do ano passado, foi confirmado que existem mais resíduos, pelo que se teria de avançar com uma “segunda fase de remoção”.

Assim, a CCDR-N compromete-se a trabalhar no “apuramento exato da quantidade de resíduos remanescentes”, prevendo a colaboração do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC).

“A quantificação dos resíduos ainda existentes é uma das etapas para a resolução definitiva deste passivo ambiental. Em causa está o encontro de uma solução para os resíduos industriais”, lê-se no comunicado.

Face à decisão da CDDR-N, a União das Freguesias de Fânzeres e S. Pedro da Cova “reafirma a sua determinação na luta pela total remoção dos resíduos perigosos e pela requalificação da área afetada”.

, , , ,