Rota da Filigrana: Município promove turismo no estrangeiro

Rota da Filigrana - fevereiro 2018

A promoção da Rota da Filigrana tem já vários países em agenda / Foto: Direitos Reservados

Uma comitiva da Câmara Municipal de Gondomar viajou até ao Japão e Alemanha para dar a conhecer as potencialidades da Rota da Filigrana e o trabalho dos ourives gondomarenses. A aposta no estrangeiro é para manter.

Os ourives e artesãos gondomarenses têm cada vez mais encomendas oriundas de países como Canadá, Brasil e Macau. Neste sentido, a Câmara Municipal de Gondomar está a procurar potenciar a aposta no mercado internacional, nomeadamente oriental e europeu.

Assim, durante o mês de fevereiro, a Câmara de Gondomar levou o seu produto turístico ao Japão e à Alemanha, mas na agenda estão já duas viagens à China e aos Estados Unidos da América, com o mesmo objetivo.

“No que diz respeito à Rota da Filigrana, a projeção externa deste produto está a ser feita para potenciar as vendas diretas fora de Portugal. Outro dos objetivos é trazer visitantes até Gondomar. Além disso, trouxemos uma carteira de contactos muito interessante e temos um grande potencial de crescimento nestes mercados. Regressamos convencidos que deixamos as sementes para colher resultados no futuro”, afirma Carlos Brás, vereador do Desenvolvimento Económico da Câmara de Gondomar.

Alicerçado à abertura dos mercados externos aos artesãos gondomarenses e à promoção da Rota da Filigrana no estrangeiro, está também o projeto de certificação da filigrana, em parceria com o Município da Póvoa de Lanhoso, e a inserção desta arte numa Candidatura a Património Imaterial da Humanidade.

“Está a ser preparada e têm-nos dito que a filigrana tem capacidade para ser protegida. Vamos começar as etapas de documentação e fundamentação porque isso tem que acontecer. É um projeto a longo prazo, mas julgo que vem acrescentar visibilidade à filigrana e que coloca os artesãos em diálogo e em conjunto”, refere o autarca.

Desta forma, a Câmara de Gondomar vai manter a aposta nas feiras internacionais de turismo e valorização da arte filigraneira.

Refira-se que em 2015, o volume de negócios da ourivesaria no concelho superou os 57 milhões de euros e a tendência é crescente. Entretanto, desde 2016, a Rota da Filigrana já foi visitada por cerca de seis mil pessoas.

, ,