“Tenho um espírito de serviço público”

Para o presidente da União de Freguesias de Gondomar (S.Cosme), Vabom e Jovim, António Braz, os dias começam cedo, por volta das 8h30 da manhã e a sua primeira tarefa é lidar com burocracias que tem que ser resolvidas ou assinadas. Enquanto as deliberava, confessou ser um homem de família e que diariamente tenta implementar esse valor da união nas obras realizadas no seu mandato como presidente.

“Esta União de Freguesias, é provavelmente a que contém uma componente social mais forte comparado às outras freguesias do município” declarou. Segundo o Autarca, no setor da Alimentação, a Junta, dispõe dum protocolo com a entidade POAPMC- Programa Operacional de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas, onde beneficiam mais de 400 pessoas. Simultaneamente, a União de Freguesias tem uma parceria com o Banco Alimentar onde é distribuído cerca de 70 a 120 refeições, sendo que tudo depende do valor de alimentos que recebem do Banco e da necessidade que cada indivíduo possuí. A Junta de S. Cosme e Valbom detêm uma Loja Social, aberta à comunidade, onde os artigos são todos recebidos de uma forma gratuita. Posteriormente são vendidos a um custo simbólico (0.50 até 5 euros). A verba arrecada nestes estabelecimentos serve para pagar o aluguer duma casa solidária onde a Junta acolhe alguns sem abrigos que estão dispostos a estar em comunidade, porque segundo o presidente “muitos não querem ajuda”.

Por volta das 9h, começou por fazer uma visita guiada às instalações da Junta, onde fez questão de apresentar ao Vivacidade, todos os funcionários que fazem com que ela funcione. Após mostrar os cantos à casa, conduziu-nos à Universidade Sénior, que se localiza a 5 minutos a pé, do edifício da autarquia local. Para o autarca, o estabelecimento é um dos maiores “orgulhos” da freguesia pelo que consegue conquistar diariamente. Neste momento, António Braz, é chamado ao seu dever, onde participou numa atividade em parceria com a Câmara Municipal e a Amnistia Internacional sobre o dia dos direitos humanos, neste evento partilhado com a turma de informática da Universidade Sénior, o Presidente assinou algumas cartas que alertavam para situações preocupantes da atualidade.
Ao longo da visita à Universidade Sénior, foi diversas vezes abordado para ouvir alguns problemas apresentados pelos cidadãos que estavam presentes, educadamente, retirava-se para um local mais isolado e apontava tudo o que lhe era comunicado, quando retornou, confessou que: “Eu digo muitas vezes às pessoas, que se eu tiver que tapar um buraco onde diariamente passam 200 pessoas, e outro onde passam 5, é óbvio que irei tapar primeiro o de 200 pessoas, o problema é que as essas pessoas não gostam de ouvir isto, gostam é de ter o seu primeiro concluído, no entanto a nossa prioridade será sempre o que abrange mais cidadãos. Eu não sou uma pessoa de dizer sim, eu digo sim, mas também sei dizer não” concluiu o Presidente. Com cerca de 48 600 habitantes na União de Freguesias, António Braz revela que é muito complicado a Junta conseguir cobrir todos os problemas, principalmente porque os recursos são muito limitados, o dirigente menciona ainda que tentará sempre resolver o máximo de pedidos possíveis.

Por volta das 10h40, dirigimo-nos ao cemitério de Gondomar (S. Cosme), onde revelou ao Vivacidade que “é um dos que dá mais complicações”, prossegue explicando que a algum tempo atrás, a autarquia deparou-se com o problema “de falta de terreno”, e revelou que “neste momento estamos a considerar ampliá-lo”, no entanto confessa “que a nível de orçamento é muito difícil”. António Braz menciona ainda que, as “cremações começam cada vez mais a ser frequentes, e cada vez mais se nota uma mudança cultural”, segundo o mesmo, estima-se que o método das cremações, na localidade, aproxima-se ao valor de 15% dos funerais ocorridos, este facto ajuda para “a diminuição da procura de terrenos”. No entanto, destaca a questão da falta de espaço como uma das suas maiores preocupações, porque segundo o próprio, “os terrenos estão quase todos vendidos às famílias e precisamos de os aumentar, apesar que, de momento não estou a considerar fazê-lo por causa do aumento da procura das cremações, no entanto temos que gerir os espaços com muito cuidado”. O responsável pelo cemitério, Sr. Jorge, revelou em conversa que “as pessoas como não têm lugar nos jazigos, optam por cremar os parentes”, são ocorrências pontuais, mas que acontecem.

Ás 12h00, dessa manhã, realizou uma visita guiada às instalações da cantina social que serve refeições diariamente a mais de 20 pessoas da Freguesia. O intervalo para o almoço chegou, e por volta dás 12h30- 13h o presidente fica ausente, exceto quando ocorrem compromissos de trabalho.  

O relógio marca 14h e é altura de voltar ao trabalho. De novo com o presidente, partimos em direção à Junta de Valbom. Enquanto não chegávamos ao nosso destino, o autarca confessou que procura dar atenção por igual a todas as freguesias, mas admite que “dentro da União há uma Freguesia, que possui uma certa ruralidade que é Jovim, por exemplo a nível de cobertura de saneamento, esta localidade possui a cobertura mais pequena que é cerca de 80%, enquanto que em Valbom e S. Cosme, possuímos uma cobertura de quase 100%”. O presidente tem a consciência de que os passeios em Valbom e S. Cosme, são melhores do que em Jovim, mas refere que a autarquia está “a fazer um esforço para mudar essa realidade”, visto que foi uma das suas promessas eleitorais. O autarca aponta ainda que desses deveres que prometeu à população, tem feito um esforço para os cumprir, como por exemplo o ambiente, onde a Junta tem vindo a adotar várias medidas, “uma delas é o papel da sensibilização junto à população, à câmara e a outras entidades, outro exemplo de medida realizada é a da requalificação do Rio Torto, que juntamente com a Câmara temos um grupo de pessoas que estão a tratar dessas águas”, o edil menciona ainda que “os resultados não são imediatos, mas temos consciência que mexemos e que as nossas ideias estão a fazer o seu curso, no entanto leva o seu tempo”. 

Chegando ao local, Junta de Freguesia de Valbom, teve de se ausentar para presenciar uma audiência com a população local. Terminada a sessão, que no qual o Vivacidade não teve acesso, o autarca teve que diligenciar alguns documentos. Ao apresentar o edifício, dá-nos a conhecer uma parceria da Junta com o projeto Vintage for a cause, no qual a Câmara Municipal também apoia.

Saindo do edifício autárquico, seguimos para o armazém da União das Freguesias, onde encontra-se todo o material de trabalho dos funcionários da autarquia. “Deste armazém partem os trabalhadores responsáveis pelas reparações das ruas, das sargetas e dos jardins que neste momento são por volta de 50 e tal à nossa responsabilidade”. Chegando ao local, dá-nos a conhecer uma parceria que a Junta realizou com a Lipor de recuperação dos equipamentos velhos. “Todos podem doar e usufruir deste protocolo, no entanto damos mais prioridade às pessoas da nossa freguesia, principalmente as mais carenciadas”. Após explicar o projeto, participamos com a equipa responsável, numa doação de um equipamento eletrónico a um Jardim de Infância.

Efetuado a entrega partimos para  o cemitério de Valbom, onde o Presidente necessita de tratar de algumas burocracias, enquanto estamos a dirigir para o local, o presidente declara que “o projeto do metro do Porto, embora não esteja ainda fechado, já se encontra em concurso público, e a nossa ambição é trazer uma linha até Gondomar” referindo que o único entrave é o orçamento que tem que ser disponibilizado, “temos que ver que estamos a falar de um projeto com um custo igual ou superior a 500 milhões de euros, e a nossa ambição é que uma parte desses milhões sejam destinados à nossa linha”, o autarca refere que “mesmo que a decisão seja tomada em 2020, só teremos metro por volta de 2025/2026”. Para o presidente, enquanto isto não acontece o seu objetivo é de melhorar a mobilidade dos Gondomarenses nos transportes Públicos, “temos um novo projeto, que já se encontra em execução em que iremos melhorar algumas linhas de autocarros, e vamos ainda incluir novos trajetos que facilitem o acesso mais rápido ao Porto”, um dos intuitos deste projeto é que algumas linhas sejam direcionadas diretamente a Campanhã, outra iniciativa implementada de sucesso foi o passe único, que por palavras do próprio “facilitou imenso o transporte dos cidadãos dentro da localidade”. Ainda na vertente do ambiente, o autarca acrescenta a novidade de um investimento de 5 milhões de euros, na construção de um novo parque urbano no centro de Gondomar, que certamente será um grande pulmão verde da cidade, o projeto já foi aprovado na Câmara e encontra-se em execução, no entanto, neste momento estão na fase de expropriação de terrenos, estima-se que a conclusão deste projeto será em 2021. Simultaneamente, na Ribeira da Archeira, em Valbom, “estamos a fazer um passadiço” que irá de Gramido até ao pavilhão Multiusos, um investimento de 1.8 milhões de euros, para além disto, o autarca revela que estão a realizar um alargamento de estrada na rua Capela da Lagoa, localizado na Freguesia de Valbom, que espera que “no primeiro trimestre do próximo ano esteja concluída”. 

Pelas 16h dirigimo-nos rumo à Junta de Freguesia de Jovim, que após lidar com as burocracias que estavam pendentes, realizou uma visita guiada pelo estabelecimento, onde constatou que o seu executivo sentiu a necessidade de realizar obras de requalificação ao edifício, sendo que, foi incluído um espaço cidadão, onde o utente tem ao seu dispor um local para diligenciar muitos assuntos respetivos à Administração Pública.

O dia do Vivacidade com o presidente acabou por volta dás 17 horas, visto que o mesmo tinha uma reunião com o presidente da Câmara Municipal de Gondomar, Marco Martins, no qual a imprensa não podia ter acesso. No entanto, António Braz revelou que o seu horário não é constante, dado que os seus dias dependem da sua agenda. 

, , , , ,