Um dia com o Presidente… Isidro Sousa

previous arrow
next arrow
Slider

Natural de Fânzeres, Isidro Sousa, foi viver para Foz de Sousa há já 40 anos. É, atualmente, o Presidente da União de Freguesias de Foz de Sousa e Covelo. O VivaCidade acompanhou o Presidente por um dia.

O dia do Presidente Isidro começa por volta das 9.15/9.30h na sede da União de Freguesias de Foz de Sousa e Covelo – Junta de Foz de Sousa. Logo quando chega, cumprimenta toda a sua equipa e começa a resolver todas as burocracias que estão pendentes na sua secretária.

Isidro Sousa começa por apresentar-nos a sede da União de Freguesias, no meio da visita guiada, revela-nos que neste momento a junta está em obras porque necessitava de uma arrecadação para guardar todos os materiais utilizados no dia a dia, o autarca revela-nos ainda que desde que tomou posse, tem vindo a renovar a cara dos dois edifícios das Juntas de Foz de Sousa e Covelo. Enquanto realizávamos a visita, o Presidente revelou que muitas vezes a sua agenda não é constante e que a adapta ao seu dia a dia, tentando ser sempre flexível conforme as necessidades dos seus cidadãos.

Ao meio da manhã começa por revelar que a sua União de Freguesias tem potencial para ser um destino turístico rural, Isidro começa por revelar-nos que a Câmara tem feito alguns investimentos para melhorar esse setor, um dos projetos que se encontra a decorrer é a linha de Midões, que começa em Covelo, passa à frente da Junta de Freguesia de Foz de Sousa e termina na Marginal. A Junta esteve encarregue de dialogar com os proprietários dos terrenos, que segundo Isidro, esta serve como um intermediário entre a população e a Câmara. O caminho pedonal encontra-se em fase de conclusão e “será, sem dúvida, um dos locais preferidos dos apaixonados pela natureza”, o autarca aproveitou o momento para destacar que é importante preservar o património das Freguesias

“Um grupo de populares tem realizado nos oitos moinhos, transformando-os num local “magnifico”, destacando que toda a requalificação realizada foi da responsabilidade dos mesmos”

e releva todo o trabalho que um grupo de populares tem realizado nos oito moinhos, transformando-os num local “magnífico”, destacando que toda a requalificação realizada foi da responsabilidade dos mesmos e que eles têm vindo a suportar com os custos, Isidro aproveitou o momento para homenagear o grupo, e, referiu que são pessoas assim que fazem a diferença. De volta ao seu gabinete, o tema da dessegregação das Freguesias foi discutido. A sua posição era óbvia. Neste momento, não é aconselhável uma dessegregação de Freguesias, pelo menos, no Alto Concelho, são realidades completamente diferentes em comparação às Uniões de Freguesias mais urbanas de Gondomar, “essas sim podem até fazer sentido desagregar”. As Freguesias do Alto Concelho são grandes em território, mas contêm pouca população. “Desagregar uma Freguesia seria começar do zero, após tantos anos, isto é um tema muito complicado”. O Presidente continua a referir que quando houve a junção das freguesias, em 2013, Foz de Sousa assumiu a dívida económica que Covelo detinha na época, tornando-se assim injusto dessegregá-las. “Com esta União de Freguesias os cidadãos ganharam com um Presidente de Junta presente. Eu sou um Presidente de Junta que gosta de estar presente e não no gabinete”. O responsável admitiu que ambas as Freguesias são tratadas de forma igual e que não destaca uma mais do que outra. “Ambas merecem muito respeito e atenção. E apesar de que em Foz de Sousa nós temos mais habitantes (cerca de 7 mil) do que em Covelo (cerca de 2 mil), eu respeito ambos os lados e para mim não há preferências”.

No meio da conversa, ao ser confrontado com a questão da falta de transportes que os residentes da União de Freguesias têm vindo a reclamar, Isidro referiu que este é um problema que se arrasta por todo o Alto Concelho. Na mesma linha constatou que, quem vive na marginal, a ligação dos transportes é muito boa e abundante, agora quem vive no interior de ambas as Freguesias a realidade é totalmente diferente. Isidro referiu que no passado, teve várias reuniões com a Gondomarense para colocar um circuito em ambas as Freguesias, os estudos realizados pela empresa constataram que tal projeto não era possível de realizar por falta de população para manter um percurso constante, no entanto, o autarca referiu que “as pessoas têm razão, quando dizem que não há muito transporte na freguesia”. O edil constatou que a única solução para resolver esse problema era a própria Junta adquirir uma carrinha e contratar um motorista, no entanto, revelou que a Junta não tem dinheiro para comprar outra carrinha.

“O mesmo constata que a única solução era a Câmara de Gondomar, fornecer uma carrinha e a Junta encarregava-se da despesa salarial do motorista”

Após o almoço, fomos em direção à Junta de Covelo, pelo caminho o tema abordado foi o ambiente. Questão que preocupa muitos populares de ambas as Freguesias, principalmente em alturas de cheias, em que as inundações são constantes devido ao lixo acumulado nos rios. Isidro, reconhece o problema e evidência que o quesito do ambiente é um tópico que o preocupa muito. “É verdade, a população tem razão, quando acontecem as cheias vêm muito lixo nos rios, até cadáveres de animais e depois se este lixo encalhar é um cheiro muito forte, nós já tivemos esses problemas em que tivemos que agir. Além disto, vem milhares de garrafas, há pouco tempo mandei tirar centenas de garrafas que estavam depositados perto de uma ponte centenária no rio ferreira”, Isidro refere que este tipo de situações não podem acontecer e que as pessoas têm que começar a ter mais respeito pelo próximo, “há pessoas que vem os rios como vazadouros e isso é gravíssimo”, “se calhar era bom realizar uma reunião geral para sensibilizar toda a população”. O autarca continuou referindo que quanto às limpezas dos rios a “Câmara se optasse por um projeto destes de limpeza, a Junta também participaria, mas agora nós não temos materiais para fazer uma limpeza nos rios, mas a Câmara tem”. Isidro apontou que a população têm razão quando diz que este problema é de inteira responsabilidade da Junta e da Câmara.

Chegando à Junta de Covelo, Isidro confessa que o projeto aprovado pela Câmara da rede de saneamento, no valor de 4.5 milhões de euros é “um investimento elevado e relevante, e é de louvar quer as Águas quer a Câmara pelo investimento. Foz de Sousa é constituída por sete lugares, neste momento não tínhamos nenhum lugar com o saneamento a 100%, embora que haja uns que estão muito melhor do que outros” “este investimento é muito bem vindo. Porque nós temos uma freguesia muito grande que tem que se investir mesmo, isto é um valor base porque pode surgir sempre alguma coisa de última hora”.

O autarca mencionou que há dois anos o Posto de Correio de Covelo encerrou e que esteve durante muito tempo em negociações com a sede, “porque para a população esta medida era horrível principalmente para os mais idosos”, assim, após várias reuniões, eles deixaram alguns impedimentos e “essas restrições dão um prejuízo à Junta de cerca de 300 euros por mês que consequentemente mexeu com o nosso orçamento”.

Na Junta de Covelo, a rotina é a mesma, após cumprimentar todos os funcionários e de tratar de toda a burocracia, conduz-nos pelo edifício da Junta, onde mostra as obras que estão a ser realizadas para criar um bar apropriado para os funcionários poderem comer e onde a “população pode ser bem recebida”. Após concluir todas as burocracias, Isidro vai conferir a obra que está a ser realizada junto ao cais da Lixa. A empreitada consiste numa rotunda que está a ser construída para controlar a velocidade do trânsito naquela zona. O custo desta obra é cerca de 1 milhão de euros.

Enquanto verificamos o local, o Presidente refere que, brevemente, com o apoio da Câmara irão realizar obras mais pequenas, como o alargamento da Rua da Concharela, onde a casa velha que está lá no local irá ser demolida para que os carros consigam circular melhor, “a negociação da casa foi muito difícil” e “espero que a Câmara reconheça o esforço que a Junta faz para negociar com os proprietários”. No final do dia e de volta à sede da União de Freguesias, Isidro fez-nos algumas revelações tais como, a Rua Combatente Rolando Santos Pinto, em Covelo, que segundo o autarca, a obra custou cerca de cinco milhões de euros e que, atualmente, falta muita manutenção por causa da relva, o mesmo diz que até pode disponibilizar os serviços da Junta para o fazer em vez da Câmara, mas “mas esta tem que pagar, porque não podemos suportar estes custos”. Isidro Sousa também nos referiu que assinou um contrato que permitirá no Futuro a renovação do Cartão de Cidadão no Espaço Cidadão da Junta.

Antes de acabar a entrevista, foi perguntado se Isidro já tinha realizado tudo o que pretendia pela União de Freguesias ou se ainda havia algum projeto que gostaria de realizar. O autarca começa por referir que, em Covelo, gostaria de realizar um centro de dia com todas as condições para a população envelhecida daquela zona. Devido à falta de crianças a escola de Leverinho fechou, “e desde então eu gostava muito de fazer um centro de dia naquele

“Tenho receio de sair e não conseguir concretizar estas obras, porque não sei se serei novamente candidato”

edifício”, “há uns três ou quatro anos atrás realizei um contrato de comodato com a câmara municipal e, eles deram-nos a escola, tenho já algum dinheiro que adquirimos com a ajuda de populares, por exemplo os proprietários de terrenos que nos deixaram levar alguma lenha que depois acabamos por vender para conseguirmos adquirir alguma quantia monetária”, segundo o mesmo a obra já começou, mas falta o apoio da Segurança Social, “porque não quero estar a sobrecarregar a população”. Em Foz de Sousa, o Presidente gostaria ainda de construir um anfiteatro, nem que fosse só um palco para que as Coletividades e a própria Junta pudessem realizar mais eventos, o local seria num terreno que se localiza ao pé do edifício da Junta de Foz de Sousa. Duas lacunas, em dois concelhos que Isidro considera essencial para a população. O Presidente conclui referindo: “tenho receio de sair e não conseguir concretizar estas obras, porque não sei se serei novamente candidato”. ▪

, , , ,