Universidade Sénior de Rio Tinto debateu “a célula cancerosa”

Palestra Célula Cancerosa - fevereiro 2018

A célula cancerosa esteve em debate no Centro Cultural de Rio Tinto / Foto: Pedro Santos Ferreira

A Universidade Sénior de Rio Tinto dinamizou uma palestra intitulada “A Célula Cancerosa”, no dia 2 de fevereiro, no Centro Cultural de Rio Tinto. Estrela Rocha foi a convidada do evento.  

No âmbito do Dia Mundial da Luta contra o Cancro, a Universidade Sénior de Rio Tinto (USRT) promoveu uma palestra dedicada à célula cancerosa, no Centro Cultural de Rio Tinto.

A sessão orientada por Alcino Branco, ex-médico e professor da USRT, visou esclarecer o público presente sobre o crescimento e desenvolvimento da célula cancerosa. “Hoje, queremos falar sobre a história da evolução da célula cancerosa, dando-vos algumas ajudas e desfazendo alguns mitos sobre o cancro. Há muitas pessoas que não gostam de falar sobre este tema, mas devemos conhecer para sabermos atuar e não termos um medo infundado do cancro”, afirmou Alcino Branco na introdução da palestra.

A convidada de honra foi Estrela Rocha, especialista em Medicina Interna e Oncologia Médica do Centro Hospitalar do Porto.

“Por norma, falamos de cancro de uma forma abstrata e isso normalmente leva-nos a uma conclusão, a morte. Contudo, é necessário falar concretamente da célula cancerosa para percebermos tudo o resto, porque é um tumor vivo com vontade própria, semelhante, por exemplo, ao feto, que se vai desenvolvendo dentro de nós”, começou por dizer a oncologista do Hospital de Santo António.

No entanto, Alcino Branco deixou uma nota de esperança aos presentes. “Esta doença já nos permite ter esperança no tratamento e prolongamento da vida com naturalidade, sendo ainda a segunda maior causa de mortalidade em Portugal”, concluiu.

A sessão continuou com a intervenção do público presente.

, , , ,