VI Medieval de Rio Tinto traz mais rigor histórico e atuações à Quinta das Freiras

Espetáculo de fogo / Foto: Arquivo Vivacidade

Espetáculo de fogo / Foto: Arquivo Vivacidade

A Quinta das Freiras dará, uma vez mais, vida à lenda de Rio Tinto. De 17 a 20 de setembro, o espaço recebe a VI Medieval, este ano ainda com mais novidades. Espetáculos históricos e de fogo, um desfile, demonstrações de artes e ofícios e toda a gastronomia da época, são apenas algumas das coisas garantidas para esta edição.

“Junto a um límpido ribeiro, travou-se a sangrenta batalha. Na memória do povo, ficou o sangue derramado que, de tão abundante, tingiu as cristalinas águas do rio, passando desde então a chamar-se Rio Tinto”. Esta é parte da lenda que inspirou a criação da Rio Tinto Medieval que este ano surge com a sua sexta edição.

As novidades começam logo com o aumento de um dia de funcionamento – de três para quatro dias – e com a criação de uma área de espetáculos pagos, confirma a autarquia. “Cada vez mais os meios deslocados para o evento são maiores e por isso convém também tirar a maior rentabilidade possível. Este ano vamos ter outro tipo de espetáculos. Vamos manter a Lenda de Rio Tinto, como espetáculo, juntando-lhe a imagem da autarquia, por exemplo, e vamos ser muito mais fidedignos relativamente à lenda. O acesso à feira vai continuar a ser livre mas este ano vamos ter uma área de espetáculo pago. Um pequeno upgrade, numa área reservada da feira. Com rigor histórico muito maior. Uma área de exposição e de ofícios, com representações”, explica Nuno Fonseca, presidente da Junta de Freguesia de Rio Tinto, entidade organizadora do evento. Quanto ao orçamento disponibilizado para a Medieval deste ano, deverá duplicar em relação ao do ano anterior. “No ano passado o orçamento rondou os 10 mil euros e este ano deverá duplicar. Este ano, pela primeira vez, tivemos um conjunto de apoios significativos. Em 2014 já tivemos o apoio de algumas empresas no evento. Este ano vamos ter mais algumas empresas que vão entrar e temos pela primeira vez, de forma muito significativa, o apoio do Município”, refere o autarca.

A “Medieval do povo” vai ter uma exposição de “instrumentos de tortura”

Para a Junta de Rio Tinto o objetivo da Medieval é demarcar-se das restantes feiras nacionais. “A nossa medieval sai um pouco do clero e da nobreza e passa muito mais pelas artes e ofícios, passa pelo povo”, explica Nuno Fonseca. Para isso, a autarquia decidiu apostar numa área diferente delimitada e dentro do recinto da feira – que terá um custo simbólico de um euro – com demonstrações e exposições das profissões do povo da época medieval. “As pessoas poderão ver algumas artes e ofícios como carpinteiros, ferreiros, alquimistas e apreciar cozinhas ao vivo. Terão também uma exposição de instrumentos de tortura da época, com a presença de atores que vão interagir com o público”, esclarece o presidente da Junta.

Muçulmanos conquistam espaço na feira

A VI Medieval de Rio Tinto contará com o mesmo número de expositores da edição anterior. O público vai poder contar com a habitual zona de restauração com, por exemplo, crepes, porco no espeto, sangria, sumos e sandes de vários tipos e também com os espaços de venda artesanal, com produtos da época. Os animais não serão esquecidos e vão ter direito a um pequeno sítio semelhante ao do ano anterior.

O espaço ocupado pela feira será, contudo, um pouco maior com a área paga destinada à exposição e com uma nova zona árabe. “Vamos ter aqui pela primeira vez uma área árabe, onde as pessoas vão poder ter oportunidade de fumar nos narguilés e experimentar os chás típicos do norte de África”, afirma Nuno Fonseca. O autarca promete também maior rigor histórico e estético no evento deste ano porque haverá um maior “cuidado de mascarar aquilo que não é medieval”.

Junta espera receber 50 mil visitantes e criar maior interação do público com o evento

“Pela primeira vez vamos colocar as pessoas a interagir com a medieval e por isso a organização pensou – à margem do que já acontece noutras feiras – em contratar uma pessoa de danças medievais que irá dinamizar alguns workshops e as pessoas que forem selecionadas no casting vão poder fazer depois espetáculos na medieval”, explica o presidente da autarquia riotintense.

A Rio Tinto Medieval de 2014 contou com a visita de 42 mil pessoas. Nuno Fonseca acredita que a VI Medieval poderá receber 50 mil. “Eu espero receber 50 mil este ano. A feira vai estar melhor e há mais um dia”, conclui.

A Idade Média chega à Quinta das Freiras a 17 de setembro.

, , , , ,