VivaDouro é o novo jornal do Grupo Vivacidade para a Região do Douro

Equipa de trabalho do VivaDouro

Equipa de trabalho do VivaDouro

A primeira edição, totalmente a cores, já saiu para as bancas e promete rigor e isenção nos conteúdos. O VivaDouro nasce no Grupo Vivacidade para cobrir a Comunidade Intermunicipal do Douro e abrange quatro distritos – Bragança, Guarda, Vila Real e Viseu.   

Com uma tiragem de 10 mil exemplares, distribuição gratuita e design em tudo idêntico ao Vivacidade, o VivaDouro lançou a sua primeira edição a 16 de abril. O objetivo principal é informar os 19 concelhos da Comunidade Intermunicipal do Douro [Vila Real, Lamego, Mesão Frio, Alijó, Armamar, Carrazeda de Ansiães, Freixo de Espada à Cinta, Murça, Peso da Régua, Moimenta da Beira, Penedono, S. João da Pesqueira, Sernancelhe, Sabrosa, Santa Marta de Penaguião, Tabuaço, Tarouca, Torre de Moncorvo e Vila Nova de Foz Côa]. A equipa inclui duas jornalistas, dois comerciais e um designer gráfico.

Miguel Almeida, diretor do Grupo Vivacidade explica a origem do projeto. “A ideia surgiu no final de 2014, numa conversa que tive com um vereador da Câmara Municipal de S. João da Pesqueira que me fez perceber que existia uma carência, em termos de informação, na Região do Douro”, afirma. “O VivaDouro não é necessariamente uma réplica do Vivacidade”, acrescenta o diretor,  já que “o Vivacidade abrange um único concelho, enquanto este projeto, que agora dá os primeiros passos, tem como objetivo a cobertura de 19 concelhos.” “Logo aí existe uma diferença muito grande entre o Vivacidade e o VivaDouro. No entanto, a génese será idêntica. No VivaDouro teremos todos os meses um grande destaque com um(a) presidente de Câmara. Teremos igualmente oportunidade de mostrar aos habitantes de um determinado concelho o que de melhor existe no seu município”, esclarece. O principal objetivo será a implantação deste Órgão de Comunicação Social (OCS) numa região que, na opinião de Miguel Almeida, “está mal servida em termos de informação.” “Senão vejamos: temos vários concelhos que não possuem qualquer OCS – como Penedono, Armamar e S. João da Pesqueira – e pretendemos com este projeto levar às populações uma informação sobre o que se passa no seu concelho”, elucida. Quanto a possibilidades de nova expansão o diretor é claro: “Primeiro pretendemos cimentar este projeto nesta região. A médio prazo podemos pensar nisso”, assegura.

Na equipa do VivaDouro, Salomé Ferreira acredita neste “projeto diferente”. “A região do Douro é uma zona com muito potencial e na minha opinião estava a precisar de um meio de comunicação que abrangesse todas as áreas num só jornal. Foi este o principal motivo que me fez aceitar esta proposta, aliado ainda ao facto de gostar de novos desafios que me permitam aprender e crescer enquanto jornalista e penso que no VivaDouro tenho todas as condições para isso”, explica ao Vivacidade. “Enquanto jornalista pretendo praticar um jornalismo que se rege pelos critérios de rigor, isenção e objetividade, sempre com o cumprimento das normas éticas e deontológicas inerentes à profissão”, acrescenta.

Para a sua colega de profissão, Ana Portela, é necessário que o VivaDouro “chegue não só aos centros de cada concelho mas também àqueles que são menos povoados, mas que merecem de igual forma ter acesso ao nosso jornal”. Quanto ao feedback da primeira edição, Ana Portela confirma que foi “extremamente positivo”. “Sinceramente não esperava nesta primeira edição, por ser um projeto totalmente novo que as pessoas ainda não conheciam. Mas ver pessoas a andar na rua com o VivaDouro debaixo do braço foi sem dúvida alguma algo gratificante e que me deu ainda mais forças e vontade de fazer sempre o melhor pelo projeto”, conta.

A próxima edição do VivaDouro sai para as bancas a 14 de maio.

, , ,