A Saúde em Gondomar

Nos últimos meses temos estado em contacto com entidades ligadas ao setor da saúde em Gondomar. Reunimos com médicos, assistentes operacionais, utentes e empresas ligadas ao setor que vieram demonstrar que a defesa deste tema é primordial para os gondomarenses.

As políticas autárquicas devem promover o bem-estar físico, mental, social e ambiental dos gondomarenses com especial atenção para as estruturas que os servem.

Quem tem responsabilidade autárquicas, seja a nível executivo ou deliberativo, tem de olhar para esta realidade com responsabilidade, e sem tabus ideológicos, pois se queremos manter o Serviço Nacional de Saúde, temos de encontrar as ferramentas para a sua cogestão entre administração local e central.

Que fique claro que os problemas do setor da Saúde não ficam resolvidos com a aprovação de um pacote de descentralização de competências, pois é necessário ir mais longe e concretizar diversas opções de políticas autárquicas:

  1. i) junto das empresas de transportes de passageiros pela criação de linhas alternativas que sirvam os reais interesses das populações em ligações para as USF’s;
  2. ii) pelo apoio de projetos que reforcem a área da Rede de Cuidados Continuados do Município

iii) pela promoção das terapias complementares.

Sendo que, no caso concreto de Gondomar, onde assumimos funções, é necessário, como já anunciamos publicamente, promover as seguintes medidas:

  1. i) renegociar com a ARS Norte o acesso ao Centro Hospitalar de São João em situações de urgência dos habitantes das freguesias de Rio Tinto, Baguim do Monte e União de Freguesias de Fânzeres e São Pedro da Cova;
  2. ii) exigir a extensão de projetos como o SNS + Proximidade ou de Saúde Oral a todas as USF’s de Gondomar;

iii) apostar nas valências do Hospital Fernando Pessoa como forma de promover a redução das listas de espera através do Sistema Integrado de Gestão das Listas de Espera.

, ,