Clinicas Médicas em Centros Comerciais ?!?

Esta semana ouvimos surgir uma nova polémica entra a Ordem dos Médicos e algumas clínicas médicas que parecem estar a surgir, sob iniciativa de grandes grupos económicos, como os supermercados Auchan, em centros comerciais.
Se por um lado está provado que uma clínica médica num centro comercial parece ter vantagens para os seus utentes, tal como facilidade de estacionamento, comodidade, entre vários aspetos, por outro lado, as clínicas que aí exercem, tomam uma atitude comercial, em que regras deontológicas e até éticas, se põem em dúvida, em relação às vantagens, sem que com isso os profissionais que aí exercem se deixem influenciar, mantendo independência e ética no ato médico. Ora o que parece estar mal, é que essas clínicas sejam da propriedade de organizações não médicas e de essa forma possam exercer pressões sobre os médicos. Isso sim, deverá ser evitado.
Vejam o sucesso do Hospital da Arrábida da Espírito Santo Saúde, muito devido ao facto de se integrar numa superfície comercial, agora até com uma expansão assinalável, em que o facto do parque de estacionamento ser gratuito, não deixa de ser importante, com o seu peso na decisão do utente, quando necessita de se deslocar a uma unidade de saúde privada.
Eu próprio já tive uma experiência com uma pequena clínica num centro comercial da nossa cidade, que foi apesar de tudo uma atividade interessante, mas que os condicionalismos impostos pela direção do centro, obrigaram a encerrar a mesma clínica. Ora apesar de tudo, não deixa de ser interessante que se abram clínicas em centros, mas o importante é garantir a independência do médico em relação à estrutura onde desempenha a sua atividade profissional, com independência e honestidade.
Em conclusão, o local onde se dá o ato médico é de menor relevo, comparado, com a observação clínica e demais passos, presentes no ato médico.
Até breve, estimados leitores…

, ,