Desemprego está a destruir pessoas e famílias

Só no concelho de Gondomar são mais de 16000 os desempregados registados. E destes, mais de metade são mulheres. Os números do desemprego no país, e em particular na região Norte (mais de 270000), são brutais. E têm vindo a agravar-se nestes últimos três anos, após o governo PSD-CDS/PP ter começado a aplicar a política de austeridade desenhada com a Troika.
A austeridade arrasa direitos sociais, faz com que os salários e pensões desçam para valores miseráveis e reduz cada mulher e cada homem deste país a condições de subsistência, em muitos casos, desumanas.
É também muito preocupante o número do desemprego em Gondomar: 16,9% da população não tem emprego. É por isso importante exigir que os responsáveis políticos tomem medidas concretas de criação de emprego e não venham tapar o sol com a peneira com programas de estágios ou com os tão modernos temas do “empreendedorismo”, “programas ocupacionais” ou as chamadas “incubadoras de emprego” que tantos por aí apregoam e que não tem qualquer efeito significativo neste número alarmante de desempregados.
PSD e CDS/PP são uma verdadeira máquina de destruir postos de trabalho: desde 2011 foram extintos mais de 260.000 empregos. E os jovens são os mais atingidos: no grupo etário dos 15 aos 24 anos a taxa de desemprego já ultrapassou os 37%…
Com a austeridade, Portugal passou a ser, como nos anos 60 do século passado, um país de emigração. E mais de metade dos emigrantes tem idade inferior a 29 anos. Não satisfeitos com a destruição dos direitos dos trabalhadores, PSD e CDS/PP continuam a impor novos aumentos, como é o caso do IVA (+025%) e da TSU dos trabalhadores (taxa social única, mais 0,2%) e ainda a substituição, a partir de 2015, da contribuição extraordinária de solidariedade (CES) por uma contribuição permanente.
Ou seja, depois da “saída limpa” da Troika, continua o assalto aos bolsos dos trabalhadores e pensionistas. E o governo também intensificou o ataque político ao Tribunal Contitucional, cuja missão é defender os direitos essenciais consagrados na lei fundamental do país.
O Bloco de Esquerda lutará para que para os jovens tenham um futuro melhor, sem  esquecer os pensionistas, e tudo faremos para que os desempregados não percam a esperança de poder voltar a ter direito ao emprego com direitos e dignidade.
A nossa prioridade são as pessoas e não o capital e começa aqui, no nosso concelho a luta para combater e vencer a austeridade. E para isso há que juntar forças, é o caminho certo…

, ,