É urgente um novo paradigma de transportes para Gondomar

Ao longo dos anos Gondomar, vive o flagelo da falta de opções na rede de transportes coletivos que seja capaz de servir convenientemente a população.

Demostração disso são os dados divulgados recentemente pelo INE no Inquérito à Mobilidade na Área Metropolitana do Porto, confirmam que o transporte individual por automóvel é o principal modo de deslocação dos residentes no concelho (mais de 67%), sendo que o transporte público ou coletivo não ultrapassa os 17%. A deslocação de bicicleta é praticamente residual (0,1%) e as deslocações a pé (14,4%) são até inferiores à média metropolitana (18,5%).

Outros números significativos são os que colocam o município de Gondomar com a maior distância média das deslocações (13km) por motivo de trabalho, à frente dos restantes 17 concelhos metropolitanos. O tempo despedido em média por dia em deslocações é superior a uma hora (72,7 minutos). E quase 64% dos residentes no concelho de Gondomar referiram ter habitualmente despesas com transporte público.

Estes e outros dados do INE mostram a necessidade e urgência na tomada de medidas pelo município com vista a aumentar significativamente a utilização do transporte público e diminuir o uso excessivo do automóvel.

A concretização do passe único metropolitano para abril de 2019 com o preço máximo de 40 euros será certamente a medida com o maior impacto, principalmente para os utilizadores gondomarenses do Alto Concelho que poderão assim ser servidos de um serviço de comodidade e de alívio fiscal em relação as despesas com transportes. Para isso é fundamental que a área metropolitana não fique para trás e aplique de forma rápida e eficaz este mecanismo.

Mas a resposta ao problema da mobilidade não pode ficar apenas pelo passe único, é fundamental força e vontade política no município para que a linha do metro Dragão–Souto seja uma realidade breve. Esta será uma medida forte, pois o metro será um meio de transporte que servirá muitas pessoas que no seu dia-a-dia fazem as deslocações Gondomar-Porto, como também proporcionará a Gondomar uma maior gama de serviços e proximidade.

É fundamental continuar a pensar o futuro. No Bloco defendemos desde sempre a prioridade na construção desta linha do metro, no entanto a realidade para o futuro tem de ser no sentido de fechar o circuito do metro a todo o concelho, permitindo assim a milhares de pessoas usufruir deste serviço que é fundamental para a vida das pessoas. É urgente uma maior ampliação de serviços e carreiras aos utilizadores do Alto Concelho, dispondo de mais serviços que passam ligar as deslocações ao centro do concelho, combatendo assim a flagelo do afastamento.

Para o Bloco, este é o momento de dar respostas concretas a um problema estrutural que continua a assolar o nosso concelho, do Bloco poderão contar com uma força interventiva imprescindível para a definição de respostas para a vida das pessoas, este é o momento de transformar as nossas utopias, na praxis que permita construir um concelho de proximidade através da mobilidade.

, ,