Editorial – Janeiro 2014

José Ângelo Pinto - Administrador da Vivacidade, SA.

José Ângelo Pinto – Administrador da Vivacidade, SA.

Caros Leitores,

O ano de 2014 vai ficar marcado por dois grandes factos políticos: as eleições para o parlamento europeu e o fim do programa de assistência que a Troika nos concedeu.
As pessoas que vão ser escolhidas para estarem nas listas dos partidos e coligações que vão concorrer para o parlamento europeu vão ser determinantes para o sucesso ou insucesso das eleições e das próprias candidaturas dos partidos. As eleições europeias, tradicionalmente, são um momento em que os povos decidem demonstrar a sua insatisfação com o estado das coisas e são, por isso, eleições em que os partidos não podem cometer erros, pois eles vão ser muito bem pagos.
É altura de curar as enormes feridas provocadas pelos resultados autárquicos em todos os partidos e trabalhar para que tenhamos os melhores representantes no Parlamento Europeu.
Espero que os partidos consigam libertar-se de um certo perfil que abundou nos últimos anos – de trauliteiros e trauliteiras que nada mais sabem fazer do que expressar veementemente opiniões despropositadas a todos os propósitos – e que se concentrem em obter pessoas competentes e dedicadas que saibam levar alto o nome de Portugal, qualquer que seja a sua origem política.
É uma enorme responsabilidade a elaboração de listas para estas eleições e é muito importante que seja enterrado o passado e que se procurem os melhores, o que deve ser independente de questões pessoais que sempre existem nos partidos. Em todos os partidos.
Também é na qualidade dos nossos deputados europeus que reconstruímos o nosso país e a sua credibilidade.

,