Gondomar é Cidade Aprendizagem da UNESCO

O Município de Gondomar foi aceite como membro da Global Network of Learning Cities – Rede Global de Cidades de Aprendizagem – da UNESCO. Esta adesão, com efeitos desde do dia 6 de Setembro, consolida e reconhece o enorme trabalho que a nossa autarquia tem desenvolvido no âmbito da educação.

O conceito de Cidades Aprendizagem foi adotado pela UNESCO em 2013, na 1ª Conferência sobre o tema, em Pequim, na China. A ideia é que os municípios orientem suas políticas públicas para promover a educação ao longo da vida, dentro e fora da escola.

Na sequência dessa primeira Conferência, foi criada uma plataforma internacional dinâmica que visa potenciar a troca de ideias e boas práticas entre cidades, sobre abordagens eficazes para construção de cidades de aprendizagem. Foram ainda elaborados dois documentos, a “Declaração de Pequim sobre Cidades de Aprendizagem” e “Características-chave das Cidades de Aprendizagem”, constituindo textos essenciais para ação que já foram apropriados por algumas cidades/regiões membros.

Podemos ler no site oficial da UNESCO que a ideia de aprendizagem ao longo da vida é antiga, e sempre foi uma característica essencial da sobrevivência da humanidade, estando profundamente enraizado em todas as culturas.

Vivemos num mundo em rápida mudança, onde as estratégias sociais, económicas e políticas estão constantemente a ser redefinidas. A aprendizagem ao longo da vida, a ideia da sociedade da aprendizagem, têm por isso um papel vital a desempenhar na transição da nossa geração para sociedades sustentáveis.

Diz ainda na mesma plataforma, que a visão de construir estratégias de aprendizagem ao longo da vida para uma sociedade de aprendizagem deve vir primeiro dos governos nacionais. Não obstante, sabemos que a mudança duradoura requer raízes profundas a nível local, sendo que a sociedade da aprendizagem deve ser construída província por província, de cidade em cidade, e comunidade por comunidade.

Na sua génese, os municípios membros devem mobilizar recursos humanos e outros para promover a aprendizagem inclusiva do ensino básico ao revitalizar a aprendizagem no seio das próprias famílias e dentro das comunidades; agilizar a aprendizagem para e no contexto laboral; alargar e generalizar a utilização de tecnologias modernas de aprendizagem; melhorar a qualidade do ensino; e alimentar uma cultura de aprendizagem ao longo da vida.

Cabe agora ao Executivo continuar o seu bom trabalho e ir mais além, bem como responsabiliza os seus munícipes a abraçar o desafio, a participar e permitir que ele seja cumprido na sua plenitude.

, ,