Gondomar votou pela mudança

As eleições do passado dia quatro de outubro deram de forma inequívoca a vitória aos partidos de Esquerda.

Com destaque para o BE que passou para terceira força política a nível Nacional, com 549.878 votos, e 19 Deputados eleitos dos quais cinco foram no Distrito do Porto, também em Gondomar fomos a terceira força política ao obter 11.231 votos. Em Gondomar, se juntarmos os votos do PS, do BE mais os da CDU, temos um total de 49.052 contra os 28.246 da coligação de Direita.

Não restam dúvidas,  Gondomar disse de forma muito clara que não quer mais no governo aqueles que nos últimos quatro anos governaram contra as pessoas.

Assistimos a uma polémica alimentada por uma certa comunicação social, há muito conhecida por estar ao serviço da direita e dos grandes interesses económicos e financeiros, que nos quer fazer engolir que a coligação de Direita, porque teve mais votos que o PS, tem direito a governar e isso é mentira.

Antes das eleições, essa mesma comunicação social dizia que o partido que tivesse mais votos não significava que fosse governar pois nessa altura o que importava era ter mais deputados. Como lhes saiu o tiro pela culatra, agora dizem o contrário sem um pingo de vergonha e pensam que fazem de nós estúpidos.

O governo emana do parlamento e para se formar governo, caso não se tenha maioria dos deputados, só é possível através de apoio parlamentar e isso é o que acontece com os partidos da coligação.

Para que o país tenha um governo que nos garanta estabilidade, basta que o Partido Socialista, o Bloco de Esquerda e a CDU se entendam para formar um governo de centro-esquerda que, ao contrário da coligação de direita, conta com o apoio parlamentar.

A maioria absoluta dos portugueses não votou pela continuação de um governo de direita. Elegeram um parlamento de maioria de esquerda. O que a Constituição da República Portuguesa diz é que cabe à maioria dos seus deputados escolher o governo da república.  É claro que para partidos como o PSD/CDS, que governaram nos últimos quatro anos contra a Constituição da República, isso não conta para nada, mas para a maioria dos portugueses conta e muito. E é por isso que, pela primeira vez desde o 25 de Abril, estamos unidos para impedir que aqueles que nos últimos quatro anos tão mal nos fizeram não continuem no governo.

Os resultados finais das eleições para a Assembleia da República são os seguintes: em 230 deputados eleitos 123 pertencem ao PS/BE/CDU/PAN contra, 107 do PSD/CDS. Será que perante estes resultados restam algumas dúvidas?!

, ,