Há limite de potência para o novo motor de Abel?

Sporting de Braga, um caso sério. Mas já não é de agora. As coisas mudaram de figura desde o momento em que Abel Ferreira assumiu o comando da formação minhota. Fortíssimo na comunicação, escolheu, juntamente com a sua equipa técnica, uma ideia de jogo atraente e positiva. Com os laterais bem abertos, de forma constante a incorporarem-se no ataque, ora jogando em profundidade, ora em largura, nota-se que o processo está muito bem definido. O “novo motor” de Abel está em alta rotação e João Novais está um senhor jogador, recupera bem, passa melhor, segura o jogo, dá equilíbrio e desequilibra, para não falar do quanto acrescenta à equipa no que toca a bolas paradas. E a importância desse tipo de lances no futebol moderno está mais do que comprovada. Este Braga quer ser protagonista, dá prioridade ao ataque posicional e não sai em transição a qualquer preço. Quer muito ter a bola, pois sabe o quanto custa recuperá-la, principalmente nos jogos com os “grandes”. De realçar que Ricardo Esgaio cresceu de forma inquestionável com Abel Ferreira. Jogando como lateral ou mais à frente no terreno, o português de 25 anos dá uma grande dinâmica à turma bracarense. E do outro lado mora Sequeira, o lateral-esquerdo que, a par de Alex Telles, é quem melhor cruza nesta Liga.

Dyego Sousa. Seria tão injusto não mencionar este nome. Um avançado fabuloso, que o Sporting de Braga contratou (e muito bem!) ao Marítimo. São 190 centímetros e 83 quilos de classe. O avançado brasileiro tem colecionado pormenores técnicos dignos de registo e exibições fabulosas. A última foi esta segunda-feira, diante do Sporting, coroada com o golo que deu a vitória aos “guerreiros do Minho”. De notar que o duelo que Dyego protagonizou com Coates, sobretudo na primeira parte – já que na segunda caiu mais no lado de André Pinto e deu-se melhor – foi soberbo para quem gosta verdadeiramente de futebol. Dois futebolistas imponentes, excelentes no jogo aéreo, muito intensos e que saíram, seguramente, do Municipal de Braga com várias nódoas negras. Bem, uma coisa é certa: os adeptos do Sporting de Braga vão sentir saudades de Abel Ferreira. Não me parece que o técnico natural de Penafiel fique durante muito tempo no clube dirigido por António Salvador. Um homem que, nos bons e nos maus momentos, aparece sempre para dar a cara. Não manda recados por ninguém. A propósito, Rui Costa, diretor desportivo e administrador da SAD do SL Benfica, foi um dos melhores futebolistas portugueses de sempre. Um ídolo para milhões de pessoas. Perante tudo o que se vai passando, não se justificava mais do que uma mera aparição na despedida do capitão?!

, ,