Instabilidade laboral

Pessoas inseridas em relações laborais, no contexto das quais não conseguem aceder a uma série de direitos que estariam afetos a essa relação laboral, por exemplo, a estabilidade, a remuneração digna, garantida e periódica, o acesso a uma indemnização quando deixa de estar vinculada, o acesso a um sistema de saúde, são preocupações reais e comuns deste tempo.

As Estatísticas do Emprego do INE indicam que, em 2017, existiam 829 mil trabalhadores com contratos não permanentes no nosso país, correspondendo a 21,48% do total dos trabalhadores por conta de outrem. Em Gondomar, embora não tenhamos os dados oficiais, esta realidade também se verifica, mas temos a certeza que, com o devido apoio aos nossos gondomarenses, às nossas empresas e indústrias, podemos começar a alterar a mesma.

Os efeitos desta instabilidade laboral afetam todas as gerações, e acarretam consigo instabilidade e insegurança, mas notam-se principalmente nas gerações mais novas, onde comprar carro, casa e constituir família é um plano constantemente adiado. Assim, urge estarmos atentos a este fenómeno, identificar, e combater estes fenómenos em Gondomar.

Por um lado, devemos premiar as empresas gondomarenses conscientes da sua responsabilidade social, por outro lado, apoiar os trabalhadores gondomarenses que vivem esta realidade com, por exemplo, a criação de um gabinete de apoio e esclarecimento de forma a terem plena noção da legalidade laboral e a não se sentirem desinformados e desprotegidos, assim como prestar apoio aos jovens empreendedores na criação das suas empresas, muitas vezes fruto do desemprego jovem, (outro fenómeno presente em Gondomar). Tal como propusemos no nosso Plano de Ação “Gondomar no Coração”.

Focados sempre que Gondomar são os gondomarenses, neste sentido devemos ajudar, proteger, e incentivar os nossos munícipes para que Gondomar possa crescer e se desenvolver de forma sustentada, garantindo qualidade de vida aos seus moradores, e vontade de se fixarem no nosso concelho!

, ,