Melres perdeu uma referência. Outros não perdem a vergonha…

Afinal parece que o Sr. Presidente da Câmara lê a imprensa local, e ainda bem!

No meu último texto de opinião neste jornal abordei a questão da Rua D. João de França, em Gondomar, artéria que faz a ligação entre o Largo do Souto e Ramalde. E nesse texto desafiei o Sr. Presidente da Câmara e os jornalistas a irem ao local e “tirarem medidas” às obras de melhoria que estavam a ser feitas.

Parece que a coisa deu resultado. E que alguém terá andado de fita métrica a verificar o que de muito mal estava a ser feito. Corrigiram erros, arredondaram os tais ângulos que muitos acidentes iriam provocar e, aos poucos, continuam a fazer correções. Mesmo já depois de parte da obra estar concretizada…

O primeiro passo – o de admitir o erro cometido! – estará dado. Aguardo, curioso, para verificar se mais correções ainda vão ser feitas. Espero que, não se venha a transformar em “obras extraordinárias” e mais custos para a Câmara e para todos nós.

Outra questão que também já abordei está relacionada com a falta de diálogo entre a Câmara e a associação que representa os comerciantes, industriais e empresários do concelho.

Falo em causa própria e com conhecimento do assunto. Sou, há já muitos anos, dirigente na Associação Comercial e Industrial de Gondomar. E nunca como nestes últimos anos de gestão socialista na Câmara vi tanto afastamento entre os dois organismos. Dir-me-ão que a falta de diálogo envolve dois organismos… sim, concordo. Mas o que é certo é que a Câmara nos tem vindo a afastar de tudo, desprezando o papel da ACIG.

No dia 2 de maio, em reunião pública da Câmara, foram aprovados mais pagamentos a inúmeras associações de Gondomar. Neste caso, específico, a situações relacionadas com entrega de documentos fora de prazo… mas isso nem interessa.

Interessa é destacar que a Câmara, liderada pelo PS, não mostra preocupação e respeito pela ACIG.  A Câmara tem vindo, a tentar esvaziar o papel da instituiçao afastando-se do diálogo e de parcerias que, tenho a certeza, seriam proveitosas para todos, que teve bons resultados noutros tempos, com outros executivos.

Recordo a Câmara que, no passado, muito se fez pelos empresários, através da ACIG.  E, por arrasto, muito se fez pelos gondomarenses. Foram pequenos apoios e moderados investimentos que se transformaram em grandes iniciativas e projetos. Fizemos muito, com sucesso! E foi um sucesso partilhado, resultado do tal diálogo – agora inexistente.

Parece-me que a Câmara pretende “esvaziar” ou “secar” o papel da ACIG. Talvez porque não consiga estabelecer diálogo com os seus atuais dirigentes, esperando que, no futuro, outros, de outra tendência partidária mais ao agrado, por lá estejam…

Se for isso, que o assumam! Que nos digam que ignoram a ACIG porque não gostam de A, B ou C.  Na ACIG temos visão de futuro e se é por razões meramente pessoais que nos ignoram, informem-nos. Hoje somos estes. Admitimos, até, ceder espaço a outros, no interesse do bem comum.

Últimas referências – que deveriam ser as primeiras! – para um nome que ficará na memória de Gondomar: Rui Teixeira.

Rui Teixeira foi um dos grandes beneméritos deste concelho. Entre muitos projetos, ajudou a criar e consolidar os Bombeiros Voluntários e a Banda Musical de Melres. Fez pelo Alto Concelho, pelo movimento associativo local e pelas suas gentes muito que deveria ser feito por outras entidades.

Afável, dialogante e tenaz, Rui Teixeira ajudou a colocar Melres no mapa. Tenho que, com tristeza, referir a sua partida. Mas destacar que deixa legado. Deixou obra feita, criou fortes dinâmicas locais e, espero, servirá de exemplo para futuras gerações.

À família enlutada e aos muitos amigos que deixou, resta-me deixar um singelo abraço de solidariedade, força e coragem. Também eu aprendi muito com o Eng.º Rui Teixeira…

, ,