Natal

Este é um tempo de introspeção.
O Natal tem, na verdade, este efeito em nós, de nos fazer cogitar sobre o sentido da nossa ação quotidiana procurando apurar se não nos afastamos, nas suas diferentes vertentes, do essencial propósito por que nos determinamos.
Viemos para a política porque cremos que, sendo o Homem um ser eminentemente gregário, se apróxima tanto mais da sua felicidade individual quanto mais equilibrada for a comunidade em que se insere. E a nossa ação na política é claramente darmos muita da nossa disponibilidade em prol desse equilíbrio social, onde todos desfrutando de mais que o essencial ganhem consequentemente espaço, para transformarem muitos dos seus sonhos em realidades vivenciadas e experimentadas reiteradamente.
Genuinamente, estamos convictos que muita da nossa felicidade individual nos é repercutida dos “efluvios” de bem-estar material e psicológico dos nossos concidadãos. Cumpre-nos pois potenciar o desenvolvimento social mediante a liberdade de todos em individualmente afirmarem as respetivas apetências, num processo onde a livre iniciativa de cada um desmultiplica os seus efeitos em favor da comunidade que os acolhe e os vai redefinindo dia a dia.
Enquanto representantes de parte da comunidade Gondomarense temos pois a subida incumbência de continuarmos na senda deste percurso, fertilizante do crescimento do indivíduo que se faz sempre em interligação com os seus pares, sem acintosos egoísmos porque necessariamente estereis mas também sem sujeitar a liberdade de cada um a teóricas personificações do todo, comprovadamente castradoras de ideias que diversificam e inovam.
Pensamos e fazemos a política imbuidos da bonomia Cristã e cientes de que a comemoração do Natal, mais que a simples troca material de prendas pelos amigos que também fazemos, representa a certeza de um dos caminhos mais extraordinários que a felicidade humana pode beneficiar para se espalhar mundo fora!…

, ,