Os Estaleiros Navais de Viana do Castelo

A gestão do processo dos Estaleiro Navais de Viana do Castelo é um exemplo claro da forma como este Governo encara o interesse público, porque de facto o interesse público esteve completamente ausente neste processo.
Mas o caso dos Estaleiros de Viana também nos mostra o empenho deste Governo em promover a nossa economia, a nossa atividade económica e a forma como combate o maior flagelo social dos nossos dias, o desemprego.
São mais de 600 trabalhadores que o Governo vai enviar diretamente para o desemprego. É uma prenda de natal que o Governo quer dar às 600 famílias envolvidas e à região de Viana do Castelo. Porque sejamos claros, não existe da parte da Empresa que ficou com a subconcessão, qualquer compromisso, quanto a uma eventual reintegração dos trabalhadores dos ENVC que o Governo quer despedir.
Mas há neste processo um elemento que ganha contornos, no mínimo duvidosos, senão anedóticos. É que o Governo diz que não tem dinheiro para que os Estaleiros possam comprar a matéria-prima, nomeadamente o aço, para dar resposta às suas encomendas, desde logo os dois navios asfalteiros, encomendados pelo Estado da Venezuela. Mas para despedir mais de 600 trabalhadores, o Governo já tem dinheiro. Para produzir não há dinheiro. Mas para despedir já há dinheiro.
Acresce ainda que despedir os trabalhadores dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo não custa apenas 30 milhões de euros. É preciso contabilizar também, os custos com o pagamento do subsídio de desemprego a 620 trabalhadores, o que, feitas as contas, teremos de somar aos 30 milhões, mais cerca de 8,5 milhões de euros. Mas também é preciso ter em conta que esses trabalhadores deixam de contribuir para a Segurança Social e também é preciso ter presente que o Estado ainda perde terrenos, equipamentos e infraestruturas e até fundos comunitários para os privados. É só bons negócios para o Estado.
E ao contrário do que diz o Governo, quando afirma que se trata de uma imposição da Comissão Europeia, é preciso lembrar que a Comissão Europeia não decidiu ainda nada sobre esta matéria. Não há conhecimento formal de qualquer decisão da Comissão Europeia, que obrigasse ao despedimento de mais de 600 trabalhadores dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo. Foi portanto uma decisão deste Governo PSD/CDS que dá assim mais um passo para destruir a nossa economia.

, ,