Portugal entre os primeiros do Mundo em qualidade de assistência em Saúde

Estimado leitores, tem sido notícia nos últimos tempos a divulgação que a Organização Mundial de Saúde classifica Portugal como dos melhores países do mundo em qualidade, no que diz respeito à Saúde. Nada que a nós profissionais nos admire, pois há muito que o sabemos, dado os termos de comparação com o que se passa em países onde frequentemente vamos para partilhar conhecimentos. Infelizmente para muita gente em Portugal o que vem de fora é que é bom… Bem um velho vício português, tão bem descrito e retratado pelo nosso grande escritor Eça de Queirós. Como já o sabem, vou inúmeras vezes efetuar cirurgias, dar palestras e ensinar em muitos cursos no estrangeiro e bem vejo o que se passa em muitos países. Efetivamente, o que se vê é uma organização de serviços e possibilidades de ter tecnologia mais facilmente do que nós dispomos, logo serão fatores económicos que podem fazer a diferença, aliás como muitas coisas, no nosso Portugal. Tenho operado em vários locais fora de Portugal em especial em Espanha e realmente a qualidade dos nossos hospitais e salas de operações em nada ficam atrás de outras. É verdade que em alguns hospitais públicos e privados em Portugal carecem de obras de remodelação , aliás de investimento em tecnologia pois os profissionais têm formação para utilizar essa mesma tecnologia. Felizmente, no Porto e concelhos da área existem excelentes hospitais, modernos e muito bem equipados. A medicina envolve crescentes gastos económicos que devem ser encarados como investimentos, pois fica muito mais barato trabalhar na qualidade de saúde das pessoas do que pagar baixas médicas e reformas antecipadas. Por exemplo, as seguradoras de acidentes conhecem bem essa realidade, pois referem que o que gastam em despesas médicas é muito menos do que pagam em indeminizações e baixas médicas.

Temos de dar valor ao que temos e saber utilizar da melhor forma. Não compreendo que, por exemplo, uma instituição bancária portuguesa, das mais importantes, estimule funcionários e clientes a serem tratados num hospital em Espanha, ou outra instituição ofereça um seguro médico que possibilita uma segunda opinião num pais estrangeiro… Nada disto faz sentido, pois são outros interesses que os movem. No entanto, muitos dos mesmos fazem seguros de saúde pouco eficazes e que na hora de serem úteis, colocam infindáveis complicações.

Algo terá de ser alterado.

Até breve…

,