SOMOS PORTUGAL

Portugal está de parabéns.

Vai ver acontecer na sua capital mais um importante evento desportivo, ou seja, a fase final extraordinária, porventura única, da Liga dos Campeões. Oito equipas disputarão os jogos dos quartos de final, das meias finais e da final, decidindo-se aqui em Portugal quem será o próximo Campeão Europeu de Clubes.
Mais uma vez Portugal vê reconhecida internacionalmente a excelência das suas infraestruturas, sejam diretamente as desportivas, com a ligação ao evento dos estádios da Luz e de Alvalade, sejam as, não menos importantes, estruturas de apoio, como e designadamente a qualidade dos seus hotéis, tão fundamentais na potenciação da melhor qualidade do descanso e retemperar de forças que as equipes procuram nos períodos entre jogos.

A escolha é prestigiante porque sedimenta a confiança na capacidade dos portugueses em organizar eventos de repercussão global, como já comprovou, no passado recente, saber fazer. Muito mais assim é, quando se falava que na “corrida” para receber a prova, estavam cidades como Madrid e Munique. E não se tratavam de cidades quaisquer, pois representavam países com um historial enorme no contexto da prova, como na organização de grandes iniciativas internacionais.

Aliás, a participação portuguesa na organização desta fase final da prova, pode ainda ser reforçada com a efetivação da segunda mão de vários jogos dos oitavos de final da competição que urge ainda serem realizados, o que a acontecer decorrerão nas cidades do Porto e de Guimarães, nos estádios dos seus clubes mais representativos, o estado do Dragão do F.C.do Porto e o estádio D. Afonso Henriques do V. S. C. (Vitoria de Guimarães).

Ora, o trabalho maior em todo este processo e na potenciação do desfecho alcançado, cabe inequivocamente à F.P.F. e, em especial ao seu presidente Dr. Fernando Gomes, que tem desenvolvido um trabalho a todos os níveis notável, na gestão e credibilização internacional, do órgão federativo do futebol português.

Nestes tempos difíceis que todos atravessamos, a presente deferência, por Portugal, não deixa de representar uma reconfortante lufada de ar fresco na autoestima dos portugueses, sempre amplamente abafada pelos maus augúrios daqueles que só sabem dizer mal de tudo quanto aqui se faz.

A verdade é que, se Portugal está na moda, como dizem, foram os portugueses com o seu trabalho, com o seu esforço, a sua idiossincrasia, que pintaram de magia este país à beira mar plantado.

Portugal está mesmo de parabéns.

, ,